A Delegacia da Polícia Civil de Marmeleiro quer se tornar modelo referência em atendimento humanizado no Paraná. O projeto visa trazer um tratamento mais humanizado para as vítimas de violência da comarca, que além de Marmeleiro, abrange as cidades de Renascença e Flor da Serra do Sul. Esse Projeto prevê a criação de espaços como um lavabo com acesso para cadeirantes, um fraldário e um espaço para brinquedoteca. Em entrevista a Rádio Onda Sul FM, o Delegado, Wilkinson Fabiano Oliveira de Arruda, falou sobre esse projeto.

  • Compartilhe no Facebook

Delegado da Polícia Civil de Marmeleiro, Wilkinson Fabiano Oliveira de Arruda

“Precisamos tirar das delegacias, os rótulos de locais perigosos, de bandidos. Em 1988 a constituição idealizou a delegacia como centro de acolhimento do cidadão vítima de violência, mais de 30 anos depois da constituição, precisamos concretizar esse ideal do constituinte, e nós, de forma pioneira aqui no Sudoeste do Paraná estamos trazendo espaços humanizados para atender esse cidadão vítima de violência”.

Segundo o Delegado, a maioria dos recursos para a conclusão da obra foram destinados pela comunidade. ” Estamos realizando as obras, praticamente com recursos próprios, alguns recursos que podemos usar do fundo rotativo do estado, mas a maioria dos recursos foram destinados pela comunidade, diversos parceiros e os Prefeitos se mobilizando para  tentar sensibilizar os empresários das cidades a nos ajudar nessa obra que é para toda a sociedade. Devemos esperar menos do estado, por que quando a gente se junta, somos mais fortes do que o estado e podemos fazer coisas grandes!” Afirma, Wilkinson.

“Na nossa comarca, temos um índice de violência doméstica muito alta, então costumeiramente as mães vão a delegacia acompanhadas dos filhos e é uma falha grave a gente não ter um espaço apropriado para atender essas pessoas. Se trata de direitos humanos, inclusive de normas internacionais que precisamos implementar na prática, transformando as delegacias em centro de promoção de cidadania e acolhimento de vítimas de violência, essa é a nossa proposta!” Finaliza, o Delegado.

A mão de obra para a construção do projeto, será por conta dos detentos da Penitenciária Estadual de Francisco Beltrão.

Confira a entrevista na íntegra: