Nesta quarta-feira, 29 de janeiro, é celebrado o Dia de Luta e Resistência dos Povos Indígenas de Sul, data que lembra a morte do cacique Ângelo Kretã, ocorrida em 29 de janeiro de 1980.

Considerado uma das maiores lideranças indígenas do país, o Cacique Kretã nasceu e constituiu toda a sua vida na Terra Indígena de Mangueirinha, no Sudoeste do Paraná. Por sua liderança incontestável foi eleito em 1976, em plena ditadura militar, o primeiro vereador indígena, pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), o que lhe garantiu projeção nacional.

Como parlamentar, defendia, especialmente, a demarcação de terras, e abriu a possibilidade de que outros indígenas participassem das disputas eleitorais, com destaque para o cacique Xavante Mário Juruna em 1978, eleito deputado federal pelo Estado do Rio de Janeiro.

Sua morte, em 1980, em um acidente de automóvel, causou grande comoção nacional. Até hoje, a causa da morte do líder Kaingang é contestada, com boa parte das lideranças indígenas afirmando que ele foi vítima de uma emboscada.

Diante da ampla comoção na época dos fatos, uma edição especial do programa Globo Repórter foi produzida, retratando a dor das comunidades indígenas com a perda de um líder.