Uma das tradicionais e maiores festas juninas da região sudoeste, terá uma história diferente neste ano. Devido à crise econômica brasileira, a qual tem castigado os municípios, a maior fogueira do país não será realizada em 2017. A decisão foi toma na semana passada, quando representantes da Prefeitura de São João, da Associação Comercial e Empresarial e da Paróquia São João Batista optaram em realizar o evento a cada dois anos.

Durante entrevista à Rádio Onda Sul FM, o prefeito Altair José Gasparetto (Vadeco) disse, “no ano passado já conversamos em fazer a fogueira a cada dois anos. Então uma decisão da própria diretoria da igreja que tinha sugerido. Foi tomada em conjunto essa decisão, principalmente com essa situação da economia que o Brasil, estados e municípios estão passando”.

Conhecida nacionalmente, o evento ganhou proporção devido a construção de uma das maiores fogueiras juninas do país. Passando em algumas edições de 60 metros de altura. Com a decisão, muitas pessoas vão ter que esperar um pouco para conhecer a fogueira, ou aproveitar novamente a festa que reúne grande público. “Já determinamos que no ano que vem vai sair a grande fogueira, também a ExpoSãoJoão. Por unanimidade todos tomaram essa decisão”. Salienta Vadeco.

Ciente da desaprovação popular, o prefeito acredita que a festa precisa ser reorganizada e vai ajudar na contenção de gastos do município. “Muitas vezes vamos ser criticados por não fazer a festa. Para nós é importante conter os gastos e também reorganizar essa festa bonita”.

A comemoração era realizada todo ano sempre nas últimas semanas de julho. Agora com a alternação de ano, quando não tem a fogueira uma programação simples será realizada. “Em relação ao nosso padroeiro, o almoço será feito normalmente no mês de junho. Estamos procurando fazer algo diferente no dia 25 de julho, no aniversário do município”.