Menu Envie sua pauta
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
27 de outubro de 2021
Rádios

Com nova decisão do STF, Kaigangs aguardam retomada da Terra em Abelardo Luz

Educação e CulturaGeral

por Ivan Cezar Fochzato

Kaingang_RS1
Publicidade

Índios Kaingang da Terra Indígena do Toldo Imbú, no município de Abelardo Luz, Oeste de Santa Catarina, esperam que o governo federal viabilize a retomada das suas terras, garantindo a indenização e retirada pacífica dos fazendeiros que ocupam a área, além da fiscalização do território indígena. Na última segunda-feira (17) o Supremo Tribunal Federal (STF) manteve decisão favorável à comunidade, definida como indígena em 2007 pelo Ministério da Justiça.

Desde o desde o reconhecimento, ocorre  batalha judicial para impedir a retomada da área de aproximadamente 1.965 hectares. De acordo com Zauri dos Santos Kaingang, é preciso realocar os invasores o mais breve possível. Para ele, a deliberação do STF representa um passo fundamental. “Nós sabemos que eles têm que receber pelas benfeitorias que fizeram. Mas tem uns 600 hectares sem benfeitoria nenhuma e esta parte da terra nós queremos ocupar imediatamente. A gente espera que as autoridades maiores cumpram o seu dever e garantam nossos direitos”, sustenta.

Atualmente a aldeia ocupa uma área de 120 hectares do território, sendo 100 hectares destinados à lavoura e restante é ocupada por 73 famílias Kaigangs.  A liderança afirma que o povo Kaingang está emocionado com a decisão do STF. “Foi muito preconceito que nós tivemos que enfrentar aqui na nossa região, já fomos maltratados e perseguidos. Agora queremos usar o tempo que resta para realizar nossos sonhos e plantar um futuro nesta terra”, salientou.

Salienta que com volta ao terreno original, a comunidade  vai investir na agricultura sustentável. “Nós queremos quebrar paradigmas: nossa intenção é plantar milho, feijão, mandioca e outras coisas, tudo sem veneno. Mas também cabe dizer que nós somos defensores da mata, nós vamos sim proteger a mata porque ela não é só boa só pra nós, ela é de toda a sociedade”, sustenta.

Publicidade
Publicidade

Para o Coordenador do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) na Região Sul, Roberto Liebgott,  a área é ocupada tradicionalmente pelo povo Kaingang há décadas e passou por todo o procedimento demarcatório. No entanto, segue vivendo às margens do seu território originário.  Pontuou que  Cimi seguirá ao lado dos Kaingang até que todo o processo seja finalizado.

Conforme Nanda Barreto da Assessoria de Comunicação do CIMI, com a definição do STF, caberá ao poder público dar as garantias necessárias para que o povo Kaingang possa usufruir de Toldo Imbú.

ORIGEM DA TERRA

Em 1902, quando foi ampliada a linha telegráfica que ligava Palmas, no estado do Paraná, ao Rio Grande do Sul, os Kaingang trabalharam na abertura de picadas. O trabalho serviu como garantia de pagamento sobre as terras que a eles já pertenciam.  O Governador da época, Francisco Xavier da Silva, assinou o decreto nº 7, de 18 de junho de 1902, reservando aos índios as terras estabelecidas.  A resistência para permanecer na terra e lutar pelo território começou quando o Estado  expulsou dos indígenas da terra em 1949. Algumas famílias de Kaingang retornaram para a área urbana de Abelardo Luz, área compreendida como antigo Toldo Imbu.

Publicidade
Publicidade
Publicidade