Menu Envie sua pauta
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
24 de junho de 2021
Rádios

Câmara de Palmas acata decisão judicial e afasta vereador

Decreto determinando o afastamento de Nilson Butner (Laco) foi publicado nesta sexta-feira (11).

Justiça

por Guilherme Zimermann

DSC_0258
Publicidade

A Câmara de Palmas acatou determinação da Justiça e afastou o vereador Nilson Butner (MDB) de suas funções. Decreto assinado pelo presidente do Legislativo, José Maria Filho (MDB), foi publicado em Diário Oficial nesta sexta-feira (11).

O vereador Nilson Butner, popular Laco, foi alvo da Operação Rachadinha, deflagrada pelo Ministério Público nesta semana, que apura o seu possível envolvimento na prática de crimes de peculato e concussão.

De acordo com a investigação do Ministério Público, em 2018, quando exercia seu primeiro mandato, o vereador e sua esposa teriam desviado parte do valor da remuneração de uma então assessora parlamentar, que teve sua nomeação e manutenção no cargo em comissão condicionadas ao repasse mensal de parte do salário que recebia.

Com o apoio da Polícia Militar, foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão na Câmara Municipal de Palmas e nas residências do vereador investigado e da ex-assessora parlamentar. As ordens judiciais foram expedidas pela Vara Criminal da Comarca de Palmas.

Publicidade
Publicidade

Em seu pedido, a 2ª Promotoria de Justiça também solicitou o afastamento do vereador do cargo, para evitar possíveis interferências nas investigações, o que foi acatado pelo Judiciário, que determinou o afastamento imediato do vereador pelo prazo de 30 dias.

Além de ficar afastado de suas funções parlamentares, o vereador também está impedido de entrar no prédio do Legislativo e de manter contato com testemunhas indicadas pela promotoria. No período de afastamento, o vereador também tem o pagamento de seu subsídio suspenso.

O Departamento de Jornalismo da Rádio Club procurou a defesa do vereador afastado na tarde de quinta-feira (10), quando foi divulgada a informação da decisão judicial. O advogado afirmou que precisa de autorização do cliente para repassar qualquer informação sobre o caso, por isso não poderia se pronunciar no momento.

Publicidade