Menu Envie sua pauta
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
22 de maio de 2022
Rádios

Bispos do Paraná realizam trabalho de grupo dentro da dinâmica da 59ª Assembleia Geral da CNBB 

A relação entre as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil e o Sínodo 2023 foi o tema.

GeralReligião

por Luiz Carlos

4
Publicidade

Na tarde de quarta-feira, 27 de abril, terceiro dia da 59ª Assembleia Geral da CNBB, os bispos do Regional Sul 2 da CNBB (Paraná) reuniram-se numa sala específica do Zoom para um momento de trabalho de grupo. Dentro da dinâmica da Assembleia, a Comissão do Tema Central propôs que cada regional respondesse algumas questões, a fim de ajudar na reflexão sobre a relação das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023) e o Sínodo 2023.

O bispo de Guarapuava (PR) e secretário do Regional Sul 2 da CNBB, dom Amilton Manoel da Silva, conduziu a reunião. As perguntas que nortearam o diálogo foram: Em que medidas as atuais DGAE contribuem para uma Igreja Sinodal? Que aspectos devem ser mantidos e repensados? 3. Que outros aspectos devem ser considerados? Mantemos as atuais DGAE ou precisaremos iniciar a construção de novas Diretrizes?

Em cerca de 50 minutos, os bispos dialogaram sobre as questões, concordando em muitas delas. Sobre a primeira questão, por exemplo, foi unânime a resposta de que as DGAE oferecem uma contribuição positiva para que a Igreja seja, cada vez mais, sinodal. “São as DGAE que ajudam na elaboração dos nossos planos pastorais diocesanos, seguindo toda realidade que nos é apresentada. Elas ajudam a fazer da Igreja um lugar de sinodalidade”, afirmou o bispo de União da Vitória (PR), dom Walter Jorge Pinto.

Sobre os aspectos que devem ser mantidos ou repensados, os bispos concordaram que a estrutura atual, com os quatro pilares, como de uma casa: “pão, palavra, caridade e ação missionária”, deve ser mantida. Houve também a insistência de que permaneça e seja melhor evidenciada a dimensão da missionariedade.

Publicidade
Publicidade

“A questão da missionariedade, que perpassa todas as DGAE, precisa ser mantida e evidenciada. Quando perguntamos para o Papa Francisco se seria convocada uma nova Conferência Latino Americana, ele disse que não, pois Aparecida ainda precisava ser colocada em prática. Toda questão da missionariedade é atual e sempre será”, disse o bispo de Paranavaí (PR), dom Mário Spaki.

Quanto ao que precisa ser repensado e considerado nas DGAE, alguns bispos destacaram a questão do contexto atual da pós-pandemia, ser inserida a questão do diálogo e da escuta, da família, da vocação, dos desafios pastorais para chegar à juventude, dos leigos e dos conselhos pastorais.

“Os pilares propostos pelas DGAE devem ser mantidos, mas sem esquecer que o contexto é outro. Penso que seja necessário reestruturar a parte interna, a partir da pandemia e da proposta do Sínodo. Muitos contextos mudaram nesses últimos dois anos e precisamos discernir a partir do novo contexto, pois houve uma mudança estrutural na sociedade”, refletiu o bispo da Diocese de Palmas-Francisco Beltrão (PR), dom Edgar Xavier Ertl.

Refletindo sobre a última questão, de manter ou iniciar a construção de novas Diretrizes, o bispo de Ponta Grossa (PR), dom Sergio Arthur Braschi, fez uma partilha que foi concorde entre os bispos. Ele contou que a Assembleia Geral que precedeu a Conferência de Aparecida, em 2007, seria de redação de novas diretrizes, porém, os bispos optaram por adiar para o próximo ano essa redação, a fim de que pudessem aproveitar o Documento de Aparecida, que deveria sair ainda naquele ano. “Ano que vem, vamos fazer novas diretrizes e depois irá acontecer o Sínodo, em Roma. Penso que seria mais prudente esperar a conclusão desse Sínodo, que vai trazer em nível mundial, muitas reflexões, para aí sim trabalhar em novas diretrizes”, afirmou o bispo. Dom Amilton foi um dos que expressaram concórdia à proposta de dom Sergio Braschi, comentando: “Nós ficamos dois anos, praticamente, parados com a pandemia, então, mais um ano ajudaria bastante para sentir e aplicar melhor essas DGAE”. Após a reunião, dom Amilton apresentou a todo o episcopado brasileiro a síntese das respostas dos bispos do Paraná.

Publicidade
Publicidade

A partir da síntese das respostas de todos os regionais, a Comissão do Tema Central irá elaborar um texto com os destaques dessa escuta e enviar, até o mês de julho, a todos os bispos. Na segunda etapa da Assembleia Geral, a ser realizada de 29 de agosto a 2 de setembro, em Aparecida (SP), acontecerá o aprofundamento do tema e as indicações para as próximas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora, a serem publicadas em 2023.

(Karina de Carvalho – Assessora de Comunicação da CNBB Sul 2)

Publicidade