A crise  provocada pela COVID – 19, tem afetado os produtores de maçã de Palmas e do Brasil. A produção nacional da fruta, que neste ano deve ser de aproximadamente um milhão de toneladas, deverá ficar no mercado interno. A projeção para os pomares de Palmas é de safra de aproximadamente 10 mil toneladas.

Conforme o Diretor Técnico da Associação Brasileira dos Produtores de Maçã(ABPM), Ivanir Dalanhol, o mercado ainda continua comprador,  com baixa demanda para os frutos de calibre menor, que deverão permanecer mais tempo armazenadas. Com a suspensão das aulas em todo o país, a fruta deixou de ser consumida na merenda.

Outro entrave para os produtores de maçã, são os portos europeus parados e diminuição no ritmo também na índica  Índia que recebe parte da produção brasileira,

Em Palmas, a colheita está ocorrendo normalmente.  As variedades Gala e a Fuji Suprema, já estão colhidas, restando a Fuji Stand e a Fuji Mishima.