A região atendida pelo Núcleo da Secretaria de Estado da Agricultura (Seab) de Pato Branco é o que está em fase mais adiantada na colheita da soja em comparação a outras regiões do Paraná. Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), 25% dos 324 mil hectares da região já foram colhidos.

Por outro lado, em nível estadual, a colheita tem avançado a passos lentos, atingindo um total de 4% da área de 5,4 milhões de hectares. Nessa mesma época na safra passada, 25% das lavouras já estavam colhidas.

Porém, apesar do atraso, as perspectivas são boas, com 91% das lavouras de soja do estado em boas condições de desenvolvimento. A estimativa do Deral é que a colheita chegue a 19,711 milhões toneladas, uma alta de 22% em comparação ao ano passado.

Na região do Núcleo de Pato Branco, a previsão é colher cerca de 1,2 milhão toneladas de soja, o maior volume já registrado, segundo números apresentados pelo técnico do Departamento de Economia Rural (Deral), Ivano Carniel, ao Departamento de Jornalismo da Rádio Club de Palmas.

Além da boa produtividade na lavoura, os preços tem agradado os produtores, com a saca da soja chegando a R$ 80,00. No milho, os preços ficam na casa dos R$ 42,50. “Esses preços se devem à demanda do mercado chinês, o que faz essa sustentação dos preços”, analisa Carniel.