O município de Palmas, sul do Paraná, tem apresentado acentuada expansão agrícola acelerando o ritmo de sua atividade econômica. A aposta no setor, novos investimentos e o emprego de tecnologias proporcionaram aumento de 140% na última década. Uma das principais atividades do município, o cultivo da soja cresceu 84% e com expansão da área de plantio do grão em 55%. A evolução é constatada a partir dos dados do Departamento de Economia Rural(DERAL) da Secretaria da Agricultura e Abastecimento e a instalação de novos empreendimentos vinculados ao setor.

A área com cultivo de soja, por exemplo, saiu de 20 mil hectares na safra 2008/2009 para 31 mil hectares em 2016 com produção saltando de 52 mil para 96 mil toneladas. O rendimento de um hectare de lavouras cresceu 21%, por conta da utilização de novas tecnologias. A produção que era de 2.600 quilos passou para 3.100 quilos, por hectare. Na safra 2014/2015 a atividade foi responsável por gerar um volume financeiro de R$ 85,8 milhões. Para a safra 2015/2016 a projeção é para um volume que deve superar os R$ 100 milhões.
Safra      Área(hec)   Produtividade(t)
08/09     20 mil            52.000
09/10      20 mil            56.000
10/11        22 mil            68.000
11/12        23 mil            63.250
12/13       25 mil             72.500
13/14       27 mil            85.050
15/16       31 mil            96.000

Na somatória de todas as atividades, a produção agropecuária do município passou de pouco mais de R$ 91 milhões em 2006 para uma movimentação financeira R$ 222 milhões em 2014, conforme os dados do VBP – Valor Básico de Produção, calculado pelo Departamento de Economia Rural da Secretaria da Agricultura e Abastecimento.
VBP – Valor Básico de Produção
2006 – R$ 91.3 milhões
2007 – R$ 89,8 milhões
2008 – R$ 107,0 milhões
2009 – R$ 126,6 milhões
2010 – R$ 143,9 milhões
2011 – R$ 129,7 milhões
2012 – R$ 142,1 milhões
2013 – R$ 185,4 milhões
2014 – R$ 222,2 milhões

Atualmente há no município pelo menos 15 armazéns registrados pela CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento. Houve nos últimos anos a instalação de pelo menos três novas cooperativas para recebimento de grãos, além de várias outras unidades particulares.