Na contramão do cenário estadual, a produção de milho do Sudoeste do Paraná registrou queda na quantidade produzida e na movimentação financeira, decréscimos atrelados à redução na área plantada. De acordo com o relatório do Valor Bruto de Produção (VBP), entre 2014 e 2015, o milho perdeu quase 10% de sua área, diminuindo de 145,4 mil para 131,2 mil hectares plantados.

A produção total da região que chegou a 1,26 milhão de ton na safra 2013/2014, caiu para 1,07 milhão na colheita 2014/2015 – queda de mais de 15,5%. Já no VBP, as perdas superaram a casa dos 10%, caindo de R$ 438,4 milhões para R$ 393,3 milhões.

Os melhores resultados percentuais, individualmente, foram obtidos pelo município de Bela Vista da Caroba, que teve 47,40% de crescimento no Valor Bruto de Produção, 75% de aumento na área plantada e uma evolução de 31,08% na quantidade produzida.

O município de Coronel Vivida chama atenção pelo crescimento obtido no VBP, mesmo registrando uma redução de 15% na área plantada e de 20,75% no total colhido. Entre 2014 e 2015, o VBP do milho do município vividense cresceu mais de 43%.

Considerando somente os dados da última safra, Mangueirinha continua na liderança regional, produzindo mais de 83 mil toneladas – 33 mil toneladas a mais que o segundo maior produtor, Francisco Beltrão – numa área de 7,6 mil hectares, atingindo um VBP de R$ 29,1 milhões. O município é o único a ultrapassar a casa dos R$ 20 milhões no VBP.

À título de comparação, o Paraná registrou aumento de 3% na quantidade produzida, ampliando em 15% o seu Valor Bruto de Produção, passando de R$ 5,6 bilhões para R$ 6,42 bilhões entre 2014 e 2015. A produção do Sudoeste representa pouco mais de 1,6% do total financeiro movimentado no Estado no último ano.