O dia 23 de julho de 2019 marcou o início das aulas do segundo semestre na Faculdade Mater Dei. Mas para aqueles que ingressaram na primeira turma ofertada na história do curso de Agronomia, ainda no primeiro semestre de 2015, representa ainda mais: é a caminhada do Estágio Supervisionado Obrigatório. Momento que demarca a reta final do curso, agora como acadêmicos do décimo período de Agronomia, após integralizar todas as disciplinas para se tornarem este profissional.

“Neste estágio, a gente costuma dizer que eles já estão engenheiros agrônomos, ainda não são, porque teoricamente já desenvolveram todos os conhecimentos necessários para viver estas habilidades. E agora, no décimo período, eles vão atestar estas habilidades adquiridas ao longo do curso, nas empresas conveniadas, nas propriedades rurais, nas cooperativas”, ilustrou o coordenador do curso de Agronomia Mater Dei, Vicente Michaliszyn.

A disciplina de Estágio Supervisionado Obrigatório é coordenada pelo Escritório Modelo de Agronomia da Faculdade Mater Dei (Emagro), que por sua vez têm à frente o professor Ricardo Beffart Aiolfi, mestre e doutor em Agronomia, na linha de pesquisa em Integração Lavoura-Pecuária.

Para o estágio acontecer, cada acadêmico estabeleceu um vínculo contratual, mediado pela Faculdade Mater Dei, entre o estagiário e as instituições que cedem a oportunidade do estágio. Serão 300 horas de atividades desenvolvidas com acompanhamento de um supervisor de campo nas mais diversas áreas de atuação do Engenheiro Agrônomo. Ricardo Aiolfi lembra que “como parte integrante do currículo, o estágio visa integrar e consolidar os conhecimentos adquiridos no curso através da participação do acadêmico em situações reais de trabalho e vivência no meio profissional”.

Inovação

Vicente já vislumbra os novos profissionais que a Mater Dei colocará no mercado, tendo este curso como diferencial ser ofertado nos turnos matutino e noturno, com aulas de campo aos sábados – algo também inédito no Sudoeste do Paraná.

“Ao final deste processo, tendo apresentado todos os relatórios como já começaram fazendo com as primeiras fotografias enviadas ao Emagro, nós os consideraremos aptos a obter o título, o grau de bacharel em Agronomia e, consequentemente a possibilidade, a partir do ano que vem, de serem inscritos como engenheiros agrônomos no Crea-PR, cada qual tendo seu número de inscrição e podendo exercer com êxito a sua profissão”.

Para a turma, os dias e noites indo rigorosamente à faculdade terminaram, pois estarão direto no ambiente de trabalho. “É um momento de muita satisfação, de bastante zelo, porque precisamos atendê-los agora neste processo, ainda que a distância, mas vamos nos encontrar nos próximos meses, porque eles vão cursar ainda uma disciplina optativa que é a de Tópicos Especiais em Engenharia Agronômica, que se dedica a sanar as principais dúvidas em relação à profissão, se eventualmente restaram, para concluírem esta importante etapa da vida profissional de cada um deles”, concluiu Vicente.

Fonte: Assessoria