Entender o que o governo do estado vem fazendo para regulamentar a lei do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária no Paraná (SUASA/SUSAF-PR) e, com isso, favorecer a comercialização dos alimentos artesanais dentro do estado, bem como estabelecer um processo que venha a oportunizar no futuro a colocação desses produtos locais em outros mercados, foi o que motivou a deputada estadual Luciana Rafagnin (PT) a solicitar audiência com a direção e técnicos da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar).

Acompanhada do agricultor Claudemir Roos, representando as queijarias artesanais do Sudoeste do estado, e de assessores, a deputada Luciana se reuniu nesta manhã (07/10) com o diretor-presidente da Adapar, Otamir Cesar Marins, com o diretor técnico da Seab-PR, Rubens Niederheitmann, e com técnicos do órgão para entender os passos que serão dados pelo governo e demonstrar o interesse dos agricultores familiares e das pequenas agroindústrias de participarem ativamente desse processo.

Em torno de 15 queijarias artesanais do Sudoeste já vêm se organizando e fortalecendo as qualificações técnica e sanitária para postularem a licença de comercialização dos seus produtos para fora dos municípios em que estão instaladas. Mas Claudemir acredita que com a segurança legal para continuar trabalhando e com informações e padrões mais claros a respeito das exigências e das condições estabelecidas, esse número de queijarias tende a aumentar. “A produção do queijo artesanal é uma vocação, que, agregada ao conhecimento, se torna garantia de qualidade e de viabilidade”, disse ele.

Claudemir é de Chopinzinho onde a comunidade, os vereadores e as agroindústrias familiares se uniram para desburocratizar ao máximo a autorização do selo municipal que atesta inspeção sanitária e possibilita ampliar o alcance da mercadoria, inclusive a venda para as escolas da região. As pesquisas e trabalhos de extensão universitária realizados pelas universidades do Sudoeste do Paraná, como um estudo do campus da UTFPR de Francisco Beltrão, também favorecem com que, por meio de parcerias, os produtos da região possam ser certificados dentro dos padrões estabelecidos pela legislação pertinente.

O presidente da Adapar se comprometeu a até o final de novembro apresentar uma proposta de decreto de regulamentação do SUSAF-PR. “Não temos problema nenhum em abrir esse decreto, dar um prazo para as entidades de analisarem a propostas e sugerirem adequações antes da assinatura da lei. A ideia é de simplificar o máximo possível”, disse Otamir Marins. Ele também ficou de padronizar as informações e orientações aos profissionais dos serviços de inspeção municipal (SIM), a fim de evitar diferenças na interpretação das normas vigentes.

A deputada Luciana ainda chamou a atenção para o interesse e o nível de organização da agricultura familiar que existem no Sudoeste do Paraná, o que coloca a região em condições de desenvolver um projeto-piloto de efetivação desse sistema. Ela acredita que com o convencimento das instituições municipais e regionais será possível desburocratizar o processo e agregar valor aos produtos artesanais do Sudoeste.

Fonte: Assessoria (Thea Tavares)