A colheita da safra da maçã 2015/2016, iniciada há 10 dias em Palmas, sul do Paraná, deverá se intensificar a partir da próxima semana. Apesar das condições climáticas adversas, que afetaram variedades precoces, produtores palmenses esperam colher mais de 13 mil toneladas do fruto.

Conforme o Diretor Técnico da Associação Brasileira dos Produtores de Maçã(ABPM), Ivanir Dalagnol, nestes dias estão sendo colhidas algumas cultivares como a Maxxi Gala. Explicou que a maioria dos pomares está localizada nas regiões de maior altitude nos Campos de Palmas, onde o ciclo é mais tardio e só deverão estar prontos para a colheita após o Carnaval. 

Em relação a qualidade dos frutos, Dalagnol enfatizou que apesar do pouco frio e excesso de chuva durante o ciclo produtivo, principalmente, no mês de setembro, está surpreendendo. “Temos frutos de excelente coloração e tamanho”, disse ele.  Salientou que há uma preocupação em relação ao padrão de calibragem, que podem ficar prejudicado pela forma em que ocorreu a floração. “Tivemos a floração em camadas  e o receio é que isso cause uma diferenciação do tamanho dos frutos”, disse ele.

Destacou que apesar dos fatores climáticos adversos, com perda de aproximadamente 500 toneladas das variedades precoces, os pomares de Palmas deverão garantir boa produtividade em relação às demais regiões produtores que deverão enfrentar acentuada queda. Informou o diretor da ABPM, que na região de Fraiburgo(SC) a projeção de queda ficará entre 20 e 25% e em Vacaria(RS) entre 10 e 15% menor.

A lavagem, classificação e embalamento dos frutos dos pomares locais ocorre através de quatro unidades instaladas no município. ” Temos unidades classificadoras no Pomar Lovo; uma na região do Horizonte; na Procamp e na Codapar, que também está realizando o processamento de maçãs produzidas em Santa Catarina”, informou Dalagnol.

EMPREGO PARA COLHEITA

Neste ano, os produtores não estão enfrentando falta de mão de obra para a colheita e classificação, problema constatado na safra passada. Para ele, o aumento do desemprego por conta do cenário econômico do país, permitiu uma maior oferta de trabalhadores que terão a oportunidade de garantir  suas atividades, pelo menos até o final do mês de abril. Outro fator que contribuiu para um maior número de trabalhadores foi formação antecipada das equipes pelos Engenheiros e Técnicos de Segurança do Trabalho, visando atender as normas para a atividade.