Acontece nesta segunda-feira (17) no auditório da Amsop em Francisco Beltrão, uma importante Audiência Pública sobre o uso desenfreado de agrotóxicos na região Sudoeste, no estado e no país. O evento promovido pelo Ministério Público do Trabalho está previsto para às 14 horas e tem por objetivo discutir as propostas legislativas de alteração da Lei dos Agrotóxicos, a proposta legislativa que implementa a Política Nacional de Redução dos Agrotóxicos, os malefícios da pulverização aérea e os agravos à saúde decorrentes da exposição a agrotóxicos, dentre outros relacionados à temática.

De acordo com Margaret Matos de Carvalho, Procuradora Regional do Trabalho, as reuniões públicas são importantes por levar essa discussão adiante, acerca das consequências do uso do agrotóxico, com o objetivo de debater os impactos causados pelo consumo excessivo deles. “Nós precisamos cada vez mais debater o tema já que informações são escassas à respeito desse assunto, portanto a população desconhece o quanto está exposta, os malefícios advindos dessa exposição e que pouco tem sido feito para proteger a saúde da população.”

A Procuradora lembra que o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Conforme Margaret, dois Projetos de Lei (PL) antagônicos tratam do tema. O PL 6670/2016 tem o objetivo de implementar ações que contribuam para a redução progressiva do uso de agrotóxicos, além de contribuir com a promoção da saúde e sustentabilidade ambiental. Já o PL 6299/2002 visa flexibilizar as regras da fiscalização e aplicação dos agrotóxicos. “A intensão nesta tarde é expor para a população esses dois projetos, informação também é poder, temos o direito de saber o que isso significa.”

 O problema

Segundo a ONU, os agrotóxicos causam 200 mil mortes por intoxicação por ano. A organização afirma também que é um mito a ideia de que pesticidas são vitais para garantir a segurança alimentar. Seu uso destrói recursos, afeta a saúde de trabalhadores, da população e sustenta um modelo de produção injusto. Existem outras formas de produzir capazes de atender à demanda mundial, bastando algumas mudanças graduais.

Confira a matéria na íntegra: