Vigilância Sanitária alerta sobre animais peçonhentos

por Juliana Raddi em 6 de Fevereiro de 2019 13:21
por Juliana Raddi em 6 de Fevereiro de 2019 13:21

Após grande incidência de aparecimento e acidentes relacionados com animais peçonhentos na região, a equipe da Vigilância Sanitária de Francisco Beltrão alerta para algumas atitudes consideradas simples que podem evitar acidentes, garantindo o bem-estar geral da comunidade.

Escorpião Marrom (Foto: Imagem Ilustrativo)

O Médico Veterinário da Vigilância Sanitária, Arnaldo Donatti, comenta sobre os riscos que a população está correndo neste período do ano, “o clima atual quente e úmido está propiciando o aparecimento desses animais. Na nossa região as serpentes peçonhentas que mais estão aparecendo são as jararacas e a cobra coral. As Aranhas Armadeiras e Marrom também representam bastante risco. Outro alerta fica por conta dos escorpiões, sendo o Escorpião Marrom o mais encontrado”, vale destacar que ele não é tão letal quanto o Escorpião Amarelo, mas causa muita dor no local de lesão.

Existem alguns cuidados que podem evitar o aparecimento dos animais peçonhentos, como: realizar a limpeza periférica das residências; retirar restos de entulhos e construções (que possam servir de abrigo para os peçonhentos ou proliferar animais predados por eles, como ratos, baratas e moscas); vedar possíveis entradas na janelas e portas das residências.

Aranha Marrom (Imagem Ilustrativa)

Os animais mais perigosos são as serpentes e as lagartas, em especial a lagarta lonomia, popularmente conhecida como taturana. Porém, a Aranha Marrom causa uma lesão silenciosa que se não for tratada, evolui muito rápido causando uma necrose local, podendo levar até a amputação do membro.

Em caso de acidente com animal peçonhento, “o correto seria lavar o local da lesão com água e sabão e procurar o pronto socorro o mais rápido possível, para assim receber o soro compatível ao animal que te agrediu”. Donatti orienta que é importante identificar o animal para que a pessoa  receba o soro correto, “se possível levar o animal agressor capturado para o médico de plantão identificar ou então relatar as características do animal para que a pessoa receba o soro adequado para a lesão”.

Se a população se deparar com o animal dentro da residência, deve entrar em contato com a vigilância sanitária através do telefone (46) 3520 2131, para que o Médico Veterinário compareça ao local para fazer captura da forma correta.

Confira a entrevista:

 

Compartilhar