Show promovido pela Rede Bom Jesus de Comunicação e Rádio Onda Sul FM de Francisco Beltrão

Vice-prefeito de Palmas/PR é requerido em ação de improbidade

por Ivan Cezar Fochzato em 25 de outubro de 2017 8:46
por Ivan Cezar Fochzato em 25 de outubro de 2017 8:46

O Ministério Público do Paraná(MPPR), por meio da 2ª Promotoria de Justiça, ajuizou nesta terça-feira(24), ação civil pública contra o atual vice-prefeito da cidade de Palmas, sul do Paraná,  César Pacheco Batista, por irregularidades cometidas ainda quando vereador, cargo que exerceu durante seis mandatos consecutivos entre 1989 e 2012. Foi constatado que o agente público era sócio oculto de uma empresa que teve vários contratos com o Município, o que fere princípios da administração pública e configura ato de improbidade administrativa.

DSC05186A situação foi verificada pela Promotoria de Justiça em três inquéritos civis. Para dar aparência de legalidade, formalmente, a empresa de transportes (caçambas) foi registrada no nome da mãe do ex-vereador e de outro sócio, mas, na verdade, seria o político o administrador do negócio. Todos são citados na ação: o vice-prefeito, a mãe, o outro sócio e a empresa. Foram investigados seis contratos, firmados em 2004, 2005, 2006 e 2011.

A partir de análise dos dados bancários dos requeridos, auditoria realizada pelo Núcleo de Apoio Técnico Especializado do MPPR constatou que os rendimentos do então vereador aumentaram tão logo começaram os repasses da prefeitura pelos serviços prestados. Ele ainda chegou a endossar pelo menos seis folhas de cheque da empresa em seu benefício (em valor total de R$ 15.811).

Com a ação, a Promotoria de Justiça requer a condenação do vice-prefeito, da mãe e do outro sócio, bem como da empresa, por ato de improbidade. Isso pode levar a sanções como a perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, proibição de contratar com o Poder Público e multa (autos nº 44744378420171024115350).

Ao repórter Alencar Pereira-RBJ/Rádio Club, na tarde de terça-feira, o vice-prefeito disse que não  havia, oficialmente, tomado conhecimento da ação.

 

Os comentários para esta matéria estão desabilitados. Caso deseje comentar sobre este conteúdo, fique a vontade em utilizar o botão do Facebook logo no inicio da matéria para compartilhar seus comentários através de seu perfil na rede social.
Compartilhar