Vai viajar? Fique atento com as recomendações da Febre Amarela

por Juliana Raddi em 31 de Janeiro de 2019 17:25
por Juliana Raddi em 31 de Janeiro de 2019 17:25

(Imagem Ilustrativa)

A Secretaria de Estado da Saúde confirmou que os dois macacos encontrados mortos no morro de Antonina/PR, na última segunda-feira (21) apresentavam vírus da febre amarela. O chefe da Sétima Regional de Saúde da Microrregião de Pato Branco, Anderson Nesello, falou sobre a preocupação em todo o Estado e apresentou recomendações para quem pretende descer para o litoral paranaense.

Nesello afirma que a morte de um macaco por febre amarela ‘liga um alerta’ máximo para a área da saúde, “não existe transmissão da febre amarela do macaco direto para o homem, mas a presença do vírus diz que temos que reforçar as nossas atividades”. Desse modo, a recomendação de vacinação se intensificou e o trabalho visa vacinar o maior número de pessoas no litoral do estado e também na região metropolitana. “Agora a gente já sabe que o vírus pode estar circulando nessas duas regiões do nosso estado e a melhor maneira de prevenir é a vacina”.

Ele destaca que mesmo não contando com casos confirmados, o período é de alerta e por isso estão trabalhando com duas áreas de recomendação de vacinação “a Primeira Regional de Saúde de Paranaguá região do litoral e Segunda Regional de Saúde da região de Curitiba e região metropolitana”, nessas áreas todas as pessoas entre 9 meses e 59 anos tem a recomendação de tomar a vacina da febre amarela, “por causa da proximidade com a região de São Paulo, que já registra casos da doença”, explica.

(Imagem Ilustrativa)

Quem está na região Sudoeste do Paraná e pretende ir para o litoral, ou viajar também para o Vale do Ribeira na região de São Paulo, Cidade de Registro ou de Poranga, é importante já ir vacinado. Porém, a vacina tem um prazo para ter sua efetividade plena, “o importante seria tomar a vacina 10 dias antes da viagem, isso para quem não tem a vacina. Quem já tomou uma dose em qualquer etapa da vida, em qualquer tempo é o suficiente, é a recomendação do programa nacional de imunizações e também da Organização Mundial de saúde”, esclarece.

Para quem não pretende viajar, a orientação é seguir o calendário normal da vacinação: a vacina aos 9 meses de idade ou caso até os 59 anos não tenha se imunizado, procurar uma unidade de saúde.

Confira a entrevista:

Compartilhar