“Todas as pessoas são criativas”, afirma Radicetti, na reunião da Acefb

por Evandro Artuzzi em 28 de junho de 2018 13:19
por Evandro Artuzzi em 28 de junho de 2018 13:19

Felipe Radicetti tem vasta experiência no mundo da música.
Foto: Darce Almeida/assessoria Acefb

O músico e compositor carioca Felipe Radicetti, radicado em Francisco Beltrão há dois anos, apresentou no Café Acefb desta semana, o tema “Processos Criativos, Inovação e Maximização de Resultados”. Felipe integra o Enova, Núcleo Multisetorial de Empresas Novas da Acefb.  Com mais de 30 anos de profissão, como ele mesmo disse, “sou pago para ser criativo”. “Essa responsabilidade de ser criativo a todo momento e a experiência adquirida com as dificuldades e com os bons resultados do meu trabalho me permitiram realizar essa apresentação pra vocês”, disse Felipe.

O palestrante destaca que não apenas os artistas vivem a necessidade de serem criativos. “Os setores de educação no Brasil buscam desenvolver habilidades criativas nos jovens. Se o mundo está nos cobrando para sermos mais criativos, as soluções podem aparecer em pequenas mudanças de atitude em relação ao nosso dia a dia”, observa.

Numa atividade lúdica com os participantes da reunião, Felipe distribuiu canetas e papéis em branco e propôs que desenhassem um número de 0 a 9 para que os outros pudessem observar depois de pronto. Teve números que pareciam uma bicicleta. “Isso é um processo criativo”, afirma Felipe.  “Pablo Picasso foi grande pintor espanhol, um dos pintores mais criativos do século 20 e fazia desenhos não muito diferentes dos apresentados aqui, mas que valiam milhões. Picasso conseguiu construir um significado para os traços dele e vocês conseguiram transformar, por exemplo, os desenhos em bicicletas”, explica Felipe.

Criatividade deve ser estimulada

“Perguntavam para Picasso como ele fazia para ser tão criativo. Ele respondia que criação 90% era transpiração e 10% de inspiração. A inspiração existe, mas ela tem que encontrar você trabalhando. Não é algo que você está caminhando pela praia e, de repente, aparece a inspiração. As pessoas são criativas, o maior problema é pensar que a criatividade vai descer na cabeça ou que precisa ter um talento especial, isso é mito. Todos somos capazes de propor soluções inovadoras, seja qual for a nossa área de atuação”, afirma Felipe.

Um vídeo foi reproduzido na sala de reuniões em que atores de TV, com a atriz Denise Fraga, dizia: “tem engenheiro com alma de artista, e tem muito ator que não tem a alma de artista”. “A mensagem do vídeo quer dizer que todos nós precisamos viver das nossas criatividades, porém cada um tem necessidades diferentes. As informações estão se moldando diariamente, e como o seu negócio vai se confrontar com essas novas situações?”, questiona Felipe.

Etapas do processo criativo

Felipe resume em três etapas o processo de criação: observação, curiosidade e associação. “Observar é demonstrar que você tem uma grande atração por aquilo que você faz. Ao gostar, você tornasse um curioso por tudo aquilo que tem relação com o que você faz. É aí que surge a curiosidade, você quer saber mais sobre aquilo. E quando você se lembra de alguma coisa, você estabelece processos criativos, que te permite pensar em associações. Você está num processo criativo que se completa quando você concretiza a ideia, seja ela um projeto de vida ou a composição de uma música”.

O músico sugere às pessoas o brainstorming, ou tempestade de ideias, para estimular a criatividade. “É falar de coisas que vem na cabeça, discutir problemas e soluções em um grupo de pessoas. Não se pode ter medo e nem fazer julgamento de valores. Enquanto você está num processo de criação, não há cabimento julgar se aquilo é ruim ou muito feio”, analisa Felipe.

No fim do Café Acefb, Tarsizio Carlos Bonetti, presidente da Associação Empresarial de Francisco Beltrão  – gestão 2018 a 2020 –  agradeceu a presença de todos. “Sexta-feira [22] nós tivemos a posse da nova diretoria, parabéns pela equipe de colaboradores da Acefb pelo evento, foi bem prestigiado por lideranças empresariais e políticas. Vamos trabalhar num sentido bem descentralizado, que todos os vice-presidentes estejam sempre ativos em seus segmentos.  Vamos criar essa cultura para que as demandas passivas, aquelas que vem até nós, possam ser direcionadas para os nossos vice-presidentes”. Tarsizio lembra que muitas ações estão previstas para o seu mandato e que a nova sede da entidade empresarial será inaugurada no fim de 2018 ou início de 2019.

Compartilhar