Suspensas reintegrações em áreas ocupadas por faxinalenses em Pinhão

por Ivan Cezar Fochzato em 22 de Janeiro de 2018 10:15
por Ivan Cezar Fochzato em 22 de Janeiro de 2018 10:15

A decisão da Vara Cível de Pinhão, no Centro-Sul paranaense, atende pedido feito em ação cautelar preparatória de ação anulatória e de produção antecipada de provas pela 2ª Promotoria de Justiça do município, em conjunto com o Núcleo de Proteção dos Povos e Comunidades Tradicionais do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção aos Direitos Humanos. Com a decisão, que tem caráter liminar, ficam suspensas as execuções de seis ações de reintegração já transitadas em julgado, ajuizadas por indústria madeireira da região.

Ação ministerial visa garantir a proteção às diversas comunidades e produzir provas consistentes na delimitação exata das áreas ocupadas pelas famílias para instruir futura ação anulatória. Para isso, também foi requerido e determinado pelo Judiciário que o Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná (ITCG) atualize o estudo de 2007 que reconheceu 478 posses de terra naquela localidade, e determine, de forma conclusiva, quais as áreas objeto das ações de reintegração são ocupadas pelos faxinalenses ou outras comunidades tradicionais, entre outras providências.

As comunidades faxinalenses são tradicionais no Paraná e possuem uma forma particular de relação com o mundo, com o ambiente e entre os próprios membros do grupo. Caracterizam o sistema faxinal a criação de animal à solta em terras de uso comum, a produção agrícola de base familiar, com policultura alimentar de subsistência para consumo e comercialização e o extrativismo florestal de baixo impacto aliado à conservação da biodiversidade, além de uma cultura própria, laços de solidariedade comunitária e preservação de suas tradições e práticas sociais.

Compartilhar