MAGAZINE DE NATAL EXCLUSIVIDADE RBJ.COM.BR

Sintomas da Menopausa podem levar à depressão

por Juliana Raddi em 23 de outubro de 2018 23:19
por Juliana Raddi em 23 de outubro de 2018 23:19

(Imagem Ilustrativa)

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a menopausa é definida como a interrupção da menstruação em consequência do término da produção de hormônios femininos e fim da ovulação. Os sintomas têm início entre os 45 e 55 anos de idade.

A farmacêutica Caroline Munhoz, comentou o tema durante sua participação no programa Onda News na manhã desta terça-feira (23). Segundo ela, não existe uma regra: “algumas mulheres podem atingir esse estágio antes dos 45, outras após os 55 anos quando a gente chama de menopausa tardia”.

Farmacêutica Caroline Munhoz participa do Onda News (Foto: Luiz Carlos Baggio)

Entre os sintomas da Menopausa estão a menstruação irregular, ondas de calor (que começam de repente e sem causa aparente), suores noturnos intensos, cansaço frequente, alterações de humor como irritabilidade, ansiedade ou tristeza, queda de cabelos, etc… “esses sintomas podem levar à depressão, já que nesse período a mulher tem que reaprender e se readaptar com as modificações que acontecem no corpo”, comenta.

Somente quando a mulher estiver a 12 meses sem sangramento menstrual significa que de fato ela entrou na menopausa. É indispensável contar com acompanhamento médico durante esse período de transição, “de forma alguma quando entra na menopausa a mulher deve esquecer da importância de realizar o exame preventivo de Papanicolau e a mamografia”, alerta Caroline.

(Imagem Ilustrativa)

Durante as consultas com o médico ginecologista é que será realizado o diagnóstico da menopausa e indicadas formas de tratamento para que a mulher tenha uma boa qualidade de vida. Normalmente o tratamento é feito com reposição hormonal, cada médico vai avaliar o seu paciente e dependendo dos sintomas com que elas apresentam será feito o tratamento.

A profissional destaca que “de forma alguma entrar na menopausa significa que estamos chegando ao fim da vida. Com acompanhamento médico a paciente receberá a dosagem adequada para ter qualidade de vida e evitar doenças que podem se agravar nessa fase da vida da mulher”.

Confira a entrevista:

Compartilhar