Projeto do Complexo Eólico foi apresentado ao governo de Palmas

por Ivan Cezar Fochzato em 23 de Fevereiro de 2018 11:51
por Ivan Cezar Fochzato em 23 de Fevereiro de 2018 11:51

Foi realizada nesta quinta-feira(23) reunião técnica do novo projeto de geração de energia eólica em Palmas, sul do Paraná. De forma detalhada, será apresentado na próxima quinta-feira(01) no Centro Cultural Dom Agostinho durante a Audiência Pública convocada pelo Instituto Ambiental do Paraná(IAP), como parte dos procedimentos legais para os licenciamentos Prévio, Instalação e Operação do Complexo Palmas II.

Estiveram presentes o prefeito, Kosmos Nicolaou, Secretários Municipais de diversas pastas; vereadores, Marquinhos Gomes e Paulo Bannake e alguns proprietários rurais, cujas áreas receberão os equipamentos dos diversos parques geradores.

Os presentes acompanharam a exposição pelo Diretor da Cia Ambiental – empresa responsável pela realização pelos Estudos e Relatório Ambiental para o licenciamento ambiental do empreendimento que gerará 200 megawatts com investimento superior a 1,2 bilhões de reais.

Além de fatores ambientais, Pedro Dias abordou aspectos econômicos e estruturais dos novos parques que deverão estar concluídos em cinco anos. “Nós estamos caminhando na etapa correta. São dois anos de estudos do meio ambiente e confirmamos que o empreendimento é ambientalmente viável”, disse ele.

Dias lembrou que Palmas foi o primeiro a explorar a fonte eólica país.

Ao RBJ, Pedro Dias esclareceu ao conceder a Licença Prévia(LP), o IAP estará aprovando a localização e tecnologia do empreendimento. Posteriormente, cumpridos todos os requisitos, é concedida a Licença de Instalação, que autoriza o início das obras, e somente quando concluídas, receberão pelo mesmo órgão a autorização para entrar em funcionamento as torres.  Para ele após a audiência, o IAP poderá decidir sobre a Licença Prévia(LP) em alguns meses e com a perspectiva de licença de obras para o início do ano que vem. “Essa é a intenção dos empreendedores e eu acho perfeitamente possível desde que se trate o meio ambiente com o respeito que merece”, salientou.

Esclareceu que na Audiência Pública, ao IAP autoriza a manifestação das autoridades e empreendedores, mas preferencialmente a consultoria que fará apresentação do EIA/RIMA com os impactos e medidas ambientais. Após a explanação, abre-se  para perguntas, criticas, sugestões por parte da população e que integração o processo de licenciamento ambiental do projeto.

Compartilhar