Polícia Civil apresenta novas informações sobre acidente que vitimou jovem na PR 182

por Evandro Artuzzi em 25 de Janeiro de 2019 6:52
por Evandro Artuzzi em 25 de Janeiro de 2019 6:52

A Polícia Civil apresentou nesta quinta-feira, 24, informações sobre o trabalho de investigação de um acidente que ocorreu no dia 1 de janeiro de 2019, na PR 182, em Realeza, no sudoeste do Paraná. A delegada da Comarca de Ampére, Tais Melo, que estava de plantão no dia da ocorrência, concedeu entrevista as Rádios Ampére AM/Interativa FM e Clube AM de Realeza. De acordo com ela, a camionete S10 de Santa Izabel do Oeste, que bateu em um gol com placas de Ampére, não estava sendo conduzida pela pessoa que se apresentou como condutor no dia do fato.

O acidente tirou a vida de Raissa Bedin Câmera, 21, que estava passeando com familiares em Ampére. Os pais da jovem moram em Balsas/MA, ela tinha recém terminado o curso de Direito em Goiânia/GO e iria colar grau no final de fevereiro. Raissa estava no gol, que ainda era ocupado por Leonardo Felipe Ramos, 22, condutor, e Ariana Bedin Danielle, 22, que estava no banco de trás do automóvel. Já na camionete quem se apresentou como motorista foi Gilmar Baldissera, 53. Porém, que estava na condução era Rangel Baldissera.

A delegada conta que recebeu o chamado assim que ocorreu o acidente e tomou todas as providências. “Naquela manhã eu estava de plantão e respondia por toda a área de atuação da 19ª Subdivisão Policial de Francisco Beltrão. Como havia uma vítima fatal foi requisitada a perícia técnica no local e acionado o Instituto Médico legal para recolher o corpo. Fomos atrás para saber quem eram as pessoas envolvidas e obtivemos informações de que eram pessoas que provavelmente teriam saído de uma festa. Então, todas as medidas necessárias para pedir exame de alcoolemia foram tomadas. Ainda no dia primeiro constamos que ocorreu uma fralde processual.”

Ela explica que a pessoa que se mostrou condutora da camionete era pessoa mais velha, estava em sã consciência, não tinha nenhuma lesão e foi assim que começamos os trabalhos. Na noite do dia do acidente o verdadeiro condutor se apresentou à polícia.”

Ela prossegue: “a gente descobriu que quem estava dirigindo era o filho dele. Então se investiga nessa situação não só o homicídio no trânsito e as causas do acidente, que serão apresentadas pela perícia, mas também fraude processual, que foi constada, denunciação caluniosa, pois algumas pessoas que foram ouvidas mentiram no depoimento e atrapalharam as investigações.

Questionada se a camionete esteve em Ampére antes do acidente a delegada disse que foi comprovado o sentido que cada veículo estava. “Ficou esclarecido que na verdade a direção dos veículos era oposta do que tinha sido informado anteriormente. A camionete vinha em direção Ampére a Realeza. E o gol estava no sentido contrário.”

No dia 5 de janeiro, quando encerrou seu plantão, a delegada entregou o inquérito ao delegado responsável da Comarca de Realeza, Bruno Hein, que é delegado titular da Comarca de Capanema, para a continuação das investigações. As reportagens das rádios não conseguiram contato com o delegado.

Compartilhar