MAGAZINE DE NATAL EXCLUSIVIDADE RBJ.COM.BR

Intoxicação com medicamentos atinge mais de 30 crianças por dia

por Evandro Artuzzi em 17 de julho de 2018 8:40
por Evandro Artuzzi em 17 de julho de 2018 8:40
Esta matéria utiliza fontes de: Redação com Bem Paraná

Uma análise feita pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) mostra que, no mínimo, 37 crianças e adolescentes (até 19 anos) sofrem os efeitos da intoxicação pela exposição inadequada a medicamentos todos os dias. Ao longo de 18 anos, foram mais de 245 mil casos de intoxicação no País, dos quais 240 crianças e adolescentes não sobreviveram. Agora no período de férias escolares o risco aumenta, já que as crianças acabam ficando mais tempo em casa.

Os estados que lideram os casos de intoxicação ou envenenamento são São Paulo, Rio Grande do Sul e Espírito Santo. Minas Gerais e Rio de Janeiro vêm por último. Porém, nem todas as regiões do Brasil são avaliadas, pois só 11 estados têm centros de monitoramento disponibilizando dados. No Paraná, por exemplo, o estudo do SBP tem números de 1999 até 2009. Neste período o Estado contou 5.592 casos de intoxiação por medicamentos entre crianças.

O estudo se baseou em informações do Sistema Nacional de Informações Toxico-farmacológicas (Sinitox). A presidente da SBP, Luciana Rodrigues Silva, disse que diante dos números alarmantes, é necessário redobrar os cuidados. “Mais da metade dos casos registrados (53%)referem-se a acidentes com crianças de um a quatro anos de idade. Elas são naturalmente muito curiosas e querem colocar tudo na boca”, diz Luciana.
Para especialistas, os dados apurados via Sinitox estão subestimados, pois a rede reúne apenas as informações de 33 Centros de Informação e Assistência Toxicológicos localizados atualmente em 11 estados e no Distrito Federal.

Como evitar acidentes com medicamentos
A maior parte dos erros na utilização de medicamentos é potencialmente evitável. De acordo com o Ministério da Saúde, em 2014, os erros de medicação de forma geral correspondiam a 30% dos erros em hospitais
Esses erros podem ser causados por diferentes fatores que potencialmente interferem na prescrição, na dispensação, na administração, no consumo e no monitoramento de medicamentos, o que pode ocasionar sérios prejuízos para a saúde e até mesmo a morte. Por isso é importante ficar atento à prescrição e dosagem.

Em casa, é importante guardar todo e qualquer medicamento em local de difícil acesso às crianças, de preferência em local fechado. Também deve se orientar os adolescentes a evitarem a automedicação. Os jovens costumam ter um comportamento mais próximo dos adultos. Alguns medicamentos possuem nomes com grafia ou som semelhantes. Sempre que receber uma receita de um profissional de saúde certifique-se que a letra está legível. Em caso de dúvida, pergunte

Estado contabiliza 17,9 mil casos de 2012 a 2017
Dados da Secretaria de Estado da Saúde divulgados no ano passado mostram que desde 2012 o Paraná registrou 17.969 casos de intoxicação causada por medicamentos. Apenas em 2016 o número chega a 4.053. Esse tipo de intoxicação lidera o ranking no Estado, bem à frente da intoxicação envolvendo agrotóxicos de qualquer natureza (883), o número de casos de intoxicação por produtos químicos (1.834) ou os casos envolvendo intoxicação pelo uso de drogas (3.956), também desde 2012.

Mais de metade destes casos ocorre com pessoas entre 20 e 49 anos e pouco mais de 71% das vítimas são mulheres. Mais de cinco mil destes casos ocorreram em virtude de fatores como a má conservação do medicamento e a ingestão de produtos fora do prazo de validade, erros na prescrição ou administração e a automedicação.

Compartilhar