Índios resistirão à reintegração de posse em área que vivem em Palmas

por Ivan Cezar Fochzato em 24 de Maio de 2018 10:57
por Ivan Cezar Fochzato em 24 de Maio de 2018 10:57

Deverá ser cumprido, num prazo de trinta dias, um mandado de reintegração de posse de uma área ocupada por cerca de 249 índios Kaingangs no interior no Parque Estadual Ambiental, próximo ao perímetro urbano no bairro São  Sebastião em Palmas, sul do Paraná. Policiais Militares e fiscais do Instituto Ambiental do Paraná já estiveram na comunidade da Aldeia Cretã, nesta quarta-feira(22) informando sobre a necessidade de deixarem o local, que ocupam desde abril de 2016.

Há vários anos, um grupo de índios desaldeados de diversas Terras Indígenas(TIs) nos estados do Paraná e Santa Catarina passaram a residir sobre território reivindicado pela Comunidade Quilombola, Maria Adelaide Trindade Batista, próximo da área da Estação do IAPAR, entre os bairros Aeroporto e São Sebastião do Rio.

Pela contestação pelos Quilombolas, em 2016 os kaingangs adentraram ao interior do Parque Ambiental, que criado pelo Governo do Estado em 2007 com 181 hectares de área nativa de florestas de Araucárias e Campos Nativos.

Na manhã desta quinta-feira(24) o cacique da aldeia, João dos Santos, disse que a comunidade irá resistir à desocupação. Foram encaminhados documentos para a Funai e Procuradoria Federal para que se evite eventuais confrontos com policiais. “Esse terreno foi dado verbalmente em 2015 para a comunidade e os índios dizem que não vão sair do local”, garantiu o líder.

Informou que várias outras comunidades indígenas de várias regiões estão sendo mobilizadas para a resistência, através de mil kaigangs que pretendem impedir a reintegração de posse. Nós temos direito originário de terra públicas de preservação ambiental”, disse ele.
O líder relatou ao RBJ que espera que as autoridades respeitem as leis e o ser humano, quanto ao direito de permanecerem no local onde vivem  também crianças e idosos.

CORTE DE MATA NATIVA

No mês de abril deste ano, a Patrulha Rural da 2ª Cia da Polícia Militar apreendeu dois homens cortando araucárias no interior do Parque Ambiental Estadual de Palmas, sul do Paraná. Os acusados são moradores da aldeia indígena Cretã.

O crime constatado pela equipe policial foi denunciado por outros indígenas. Foram derrubadas e serradas as centenárias árvores com a utilização motosserra, sem qualquer licença ambiental do Instituto Ambiental do Paraná(IAP) responsável pela unidade de preservação.

Compartilhar