Frutos da pesquisa do IAPAR em Palmas

por Ivan Cezar Fochzato em 10 de Janeiro de 2019 9:23
por Ivan Cezar Fochzato em 10 de Janeiro de 2019 9:23

Variedade Eva, desenvolvida pelo Iapar de Palmas, produtividade incomparável, destaca o Chefe da Estação.

O Governador do Estado, Carlos Massa Ratinho Junior, afirmou na terça-feira (8), que o Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) não será extinto. Avaliou que órgão é importante e um patrimônio do Paraná. “Nunca se cogitou acabar o Iapar”, disse Ratinho Junior, em reunião com representantes do setor produtivo de Londrina e região, no Palácio Iguaçu, em Curitiba.

Em Palmas, no sul do Estado, a Estação se dedica, desde a sua instalação no final da década de 70, ao desenvolvimento de pesquisa e experimentos para fruticultura, especialmente a maçã.

Como resultado, diversas novas cultivares já foram lançadas, algumas já em produção comercial em diversas regiões do Brasil. No município a colheita da safra 2018/2019 está em andamento. Como fruto do trabalho da pesquisa  destacam-se as variedades precoces Eva e Julieta.

“Maçã Julieta, consumida no seu ponto de maturação tem sabor incomparável. Precocidade, resistência, beleza e sabor”, avalia Schvieczrski.

Conforme o Chefe da Estação, Wilson Schvieczrski, na unidade há um banco de germoplasma de cultivares diferenciadas que estão passando por cruzamento para identificar novas variedades.

Foram identificadas 24 espécies tidas como promissoras e, destas, cinco estão em fase de multiplicação. “Estamos há dez anos pesquisando e é provável que num prazo, não inferir a cinco anos, seja possível lançar uma nova variedade de maçã no mercado”, disse ele.

Na Estação local se desenvolve também a pesquisa com porta-enxertos da linha CG, de origem  norte- americana. Isso permitirá, num prazo de cinco anos, oferecer aos produtores outras opções aos usuais Maruba e M9, onde são desenvolvidas as cultivares Gala e Fuji, por exemplo.

Compartilhar