Cursilhistas de Beltrão contribuem para reestruturar AMARBEM

por Juliana Raddi em 18 de setembro de 2018 14:25
por Juliana Raddi em 18 de setembro de 2018 14:25

A Associação Marrecas do Bem Estar do Menor (AMARBEM) de Francisco Beltrão atende aproximadamente 70 crianças e adolescentes carentes do bairro Padre Ulrico. O objetivo da entidade é desenvolver atividades sociopedagógicas que visam afastar crianças e adolescentes de situações de vulnerabilidade.

O coordenador da AMARBEM, José Paulo Pacola comenta como é a rotina dos menores, “eles frequentam um período na escola e o outro na instituição. Disponibilizamos duas refeições, uma mais leve e outra mais consistente. São oferecidas atividades sociopedagógicas que envolvem cultura, artesanato, lazer, pinturas entre outras modalidades” e destaca que as famílias também são beneficiadas com a horta comunitária, mantida por eles.

Parte da equipe de voluntários que trabalhou durante o Festival de Pizza. Na foto: Paulo Pacola, Eloá Milani, Luiz Rudell, Paulo Cezar Rodrigues e Murilo Padilha

 

A expectativa é que a partir da reforma do ginásio de esportes – prevista para acontecer no próximo ano – atividades como futebol de salão, vôlei, basquete entre outras, motivem a participação de  jovens na entidade. “Hoje atendemos crianças até 14 anos de idade, com a reforma do ginásio de esportes, jovens também poderão ser atendidos na iniciação do esporte. Desse modo, poderemos atender até 200 crianças, jovens e adolescentes”, destaca Pacola.

Atualmente a AMARBEM não conta com recursos do poder público e mantém suas atividades através de filantropia, como explica o coordenador, “recebemos doações voluntárias de empresas que nos ajudam muito, mas também temos um carnê de doação voluntário, onde as pessoas podem solicitar à AMARBEM e contribuir de forma voluntária. Qualquer quantia é sempre bem-vinda seja um real ou quantias maiores, estamos conseguindo sobreviver dessa forma”.

(Foto: Divulgação)

A panificação é uma atividade que contribui com a manutenção das atividades. São atendidas empresas da cidade e também a população em geral, que pode comprar pães de forma unitária. Um projeto da atual administração visa promover ainda mais a venda de produtos de panificação produzidos pela entidade, “temos um projeto para montar uma panificadora na frente da AMARBEM e dessa forma atender a população em geral. Estamos nos preparando para dar mais esse passo, queremos procurar diversificar também, trabalhar com cucas e outros produtos da panificação”.

Cerca de mil pizzas foram vendidas no último dia (15).

No último sábado (15), foi realizado o Segundo Festival de Pizza em prol da AMARBEM, com a organização do Movimento de Cursilhos de Cristandade do Brasil (MCC), de Francisco Beltrão. “O Cursilho é o coordenador da AMARBEM e abraçou essa causa, movimentando voluntários para a montagem, venda e entrega das pizzas. Primamos pela qualidade pois queremos formalizar no calendário esse festival uma vez por ano. Nesta edição, aproximadamente mil pizzas foram vendidas, felizmente a sociedade tem dado esse retorno positivo”, comenta Pacola.

Cursilhista há 20 anos, Eloá Milani comenta o trabalho do MCC com a AMARBEM, “a entidade foi fundada por cursilhistas e o estatuto exige que apenas cursilhistas possam assumir sua presidência. É necessário ser evangelizado pelo movimento do cursilho para depois assumir a coordenação. Toda a organização do Festival de Pizzas foi realizada pelo movimento de cursilho, desde as vendas, as montagens até a entrega. E todo o lucro será todo revertido para as crianças da AMARBEM”.

(Foto: Divulgação)

Segundo a cursilhista, houve grande contribuição por parte da população, “alguns empresários adquiriram as pizzas e doaram para seus funcionários. Outros compraram, mas não retiraram e ligaram pedindo que fosse feita a venda novamente, ou seja, ajudaram duas vezes. Esse apoio da população é bem gratificante”.

Sobre as dificuldades enfrentadas no dia a dia, o coordenador da entidade ressalta: “temos problemas como toda e qualquer empresa. A gente tem que ver a entidade como uma empresa, temos que administrar ela. Queremos resgatar o que devido é a AMARBEM, atender essas crianças, adolescentes e jovens carentes e dar esse retorno a sociedade, na educação, cultura e em outras situações que não as deixem em um estado de vulnerabilidade.”

José Paulo Pacola convida a comunidade para conhecer de perto as atividades realizadas na entidade: “a AMARBEM está de braços abertos para receber a todos, seja de forma individual, coletiva ou ainda empresas. Convidamos a comunidade para conhecer o bonito trabalho de reestruturação que o movimento do cursilho está desenvolvendo”.

Entre em contato com a AMARBEM: (46) 3523 1356

 

Momento de lazer na AMARBEM de Francisco Beltrão. (Foto: Divulgação)

 

 

 

 

 

 

Compartilhar