MAGAZINE DE NATAL EXCLUSIVIDADE RBJ.COM.BR

Curiosidade: Fanta teria origem Nazista?

por Juliana Raddi em 15 de Abril de 2018 12:23
por Juliana Raddi em 15 de Abril de 2018 12:23

As grandes empresas são instituições internacionais interessadas em vender seus produtos, independente de determinados valores morais. Durante uma guerra, uma companhia pode ficar milionária se atuar em um dos lados do conflito. No entanto, o negócio certamente se tornará bilionário se a empresa souber jogar com os dois lados.

(Imagem ilustrativa)

 

 

Um fato bem clássico foi o que aconteceu com a Coca Cola. Corria o ano de 1930 e a Coca-Cola era a bebida gaseificada mais popular da Alemanha, pois no começo do regime de Hitler, foram construídas mais de 60 fábricas da Coca e o país vendia cerca de 6 milhões de caixas por ano. Tudo corria bem até que em 1939 eclodiu a  Segunda Guerra Mundial e a festa acabou. Com a guerra no Atlântico, o xarope usado na produção da Coca-Cola importado dos EUA, se tornou uma raridade. Com a entrada dos EUA na guerra em 1941, nada mais de Coca: os laços comerciais entre os dois países foram rompidos.

Propaganda antiga do refrigerante. (Foto: Reprodução)

Incapazes de produzir a bebida, os alemães precisavam de algo que pudesse substituí-la. Sendo assim eles tinham um grande problema nas mãos, pois tinham uma fábrica, porém nada de matéria-prima. O chefe de operações, então da ex-Coca Cola da Alemanha, Max Keith, precisava encontrar uma solução para não deixar os alemães sem uma bebida de alto padrão e também para não ficar sem emprego. Keith utilizou os ingredientes existentes na Alemanha para criar uma alternativa. Misturou soro de leite e fibras de maçã. Estes dois itens eram os “restos dos restos” da indústria alimentícia, acrescentou açúcar e água carbonada. O produto até que ficou bom, mas aí faltava o nome.

Chamou todos os funcionários da fábrica para uma reunião para decidirem como chamariam o produto e começou por Keith falando a todos usarem de sua imaginação (fantasie em alemão). E ouviu, gritado, do vendedor Joe Knipp: “Fanta!”. Estava criado o nome! Por outro lado, o governo alemão ofereceu a Keith a possibilidade de ser dono da marca, pegando para si toda logística construída pela Coca. No entanto, Max nunca aceitou isso, continuou fiel a empresa. Dizem que ele até se recusava a participar de eventos nazistas.

A bebida virou uma febre no país – chegando a ser utilizada inclusive em receitas de doces e bolos.

Em 2015, para comemorar os 75 anos da bebida,a companhia lançou uma edição especial com o design inicial da Fanta. (Imagem ilustrativa)

Keith apresentou a bebida para a filial da Coca-Cola na Holanda ocupada, que assim como a da Alemanha, estava impossibilitada de prosseguir com a produção. Mas aí, surgiu mais um problema: matéria prima (maçã). Diferentemente do refrigerante alemão baseado na fruta, a Fanta holandesa possuía o “sabugueiro”, uma espécie muito comum na Europa, sendo as suas flores e frutos amplamente utilizados como medicamento, alimento e corante.

(Imagem ilustrativa)

Após o fim da guerra, a produção da Coca-Cola foi restabelecida na Alemanha e na Holanda. A Fanta foi aposentada, mas não esquecida. Por vontade do público, a bebida só voltaria às prateleiras em 1955, quando a Coca-Cola quis competir com o lançamento de vários refrigerantes sabor fruta da Pepsi. Só então, numa fábrica italiana, surgiu a Fanta sabor laranja, a que hoje é sinônimo de simplesmente Fanta.

 

(Imagem ilustrativa)

Hoje, a bebida é vendida em mais de 100 países com mais de 90 sabores. De qualquer forma, no pós-guerra, a Coca-Cola leva a marca e o conceito de um refrigerante de frutas para os Estados Unidos, tornando o refrigerante famoso. É claro, a Fanta mais conhecida, no fim tornou-se a de laranja, mas isso não impediu que ela se espalhasse pelo mundo e representasse com seus sabores toda a diversidade do paladar humano.

O Brasil é o país que mais consome Fanta laranja. Talvez isso explique porque a quantidade de suco natural da bebida daqui seja a maior do mundo (10%). Em alguns países a concentração é de apenas 2%. Existem 70 tipos diferentes de Fanta, muitas delas baseadas no gosto específico do consumidor local. A mais famosa, como citado, é a de laranja. Porém ela muda de país para país, variando a porcentagem de suco natural diluído na bebida. A Fanta de pepino com melão é certamente a mais estranha de todas!

 

 

Compartilhar