MAGAZINE DE NATAL EXCLUSIVIDADE RBJ.COM.BR

Palavra de Deus é caminho para superar violência

por Ivan Cezar Fochzato em 12 de Fevereiro de 2018 9:42
por Ivan Cezar Fochzato em 12 de Fevereiro de 2018 9:42

No dia 14 de Fevereiro, Quarta-Feira de Cinzas,  será lançada, em nível nacional, a Campanha da Fraternidade 2018, com o  tema “Fraternidade e superação da violência”. Na Diocese de Palmas/Francisco Beltrão, a apresentação da temática será dia 15, às 09h00, na Casa de Formação Divino Mestre, em Francisco Beltrão, numa coletiva à imprensa regional.

Em seu artigo semanal, o Bispo Dom Edgar Xavier Ertl,  retoma  contexto histórico da iniciativa da Igreja, iniciada pontualmente na região Nordeste na década de 60 e, mais tarde, levada à efeito em todo o Brasil.

Em sua mensagem o bispo salienta que a Palavra de Deus é o caminho concreto para a superação da violência que deixa brasileiros estarrecidos nas últimas duas décadas “ No Sudoeste do Paraná, com menos incidência, sem desconhecê-la como realidade social, e que nos preocupa de igual modo”, frisa.

Em Cristo somos todos irmãos

No dia 14 de fevereiro de 2018, Quarta-feira de Cinzas, iniciaremos o Tempo da Quaresma e concomitantemente a Campanha da Fraternidade (CF). A primeira Campanha foi realizada pela primeira vez, na Quaresma de 1962, na cidade de Natal, Rio Grande do Norte e outras três dioceses do Estado. O projeto da Campanha da Fraternidade para toda a Igreja do Brasil oficialmente começou na Quaresma de 1964, sob o impulso renovador do Concílio Vaticano II. Aos poucos a CF foi sendo assumida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), reestruturando-a, elaborando subsídios e grandes reuniões a fim de bem prepará-la em todas as 18 Regiões da Conferência.

A partir de 1970 ela ganhou um especial e significativo apoio: trata-se da mensagem do Papa, transmitida em cadeia nacional de rádio e televisão, quando de sua abertura, na Quarta-feira de Cinzas. Esta mensagem todos os anos vem enriquecendo a abertura e adesão por parte dos católicos do Brasil, como compromisso concreto para a vivência da fé no tempo da Quaresma. E, neste ano de 2018, a CNBB promove mais uma importante edição da Campanha da Fraternidade, cuja finalidade principal é vivenciar e assumir a dimensão comunitária e social da Quaresma. A CF ilumina de modo particular os gestos fundamentais desse tempo litúrgico: a oração, o jejum e a esmola. São três práticas para uma verdadeira conversão segundo o Evangelho de Jesus Cristo.

 

Tema e Lema

Neste ano, o tema da Campanha é “Fraternidade e superação da violência” e o lema: “O Antigo Testamento indica-nos o caminho das origens de todo o universo com a harmonia das relações: “E Deus viu que tudo era bom” (Gn 1,25). A origem da humanidade são ainda mais admiráveis: “Façamos o ser humano à nossa imagem e semelhança […]. Deus criou o ser humano à sua imagem, à imagem de Deus o criou. Homem e mulher ele os criou” (Gn 1,26-27). Confiou-lhes o cuidado e o cultivo da obra criada. E, assim, nos diz o texto que “Deus viu tudo quanto havia feito, e era muito bom” (Gn 1,31). Deus criou-nos na sua bondade e numa relação de amor e de cuidado.

Criando o ser humano à própria imagem e semelhança, Deus o criou para a comunhão. O Deus criador que se revelou como Amor, Trindade, comunhão, chamou a pessoa humana a entrar em íntima relação com Ele e à comunhão interpessoal, isto é, à fraternidade universal. Essa é a mais alta vocação do ser humano: entrar em comunhão com Deus e com as outras pessoas, seus irmãos e irmãs. E quem faz esta experiência de comunhão, com certeza, fará uma experiência de superação da violência, que nos tem deixado estarrecidos nas últimas duas décadas em nosso país.

“Como a ti mesmo” (Lv 19,17-18)

“Não guardes no coração ódio contra o teu irmão. Repreende teu próximo para não te tornares culpado de pecado por causa dele” (19,17). Evitar guardar rancor evitando possíveis maquinações de vingança e o amor como mandamento. “Não procures vingança nem guardes rancor aos teus compatriotas. Amarás o teu próximo como a ti mesmo. “Como a ti mesmo” = pode significar que não se trata de puro sentimento e menos ainda de sentimentalismo; parece inculcar o respeito ao outro, tão pessoa como a gente mesma; inculca a solidariedade radical que vê no outro algo de si próprio.

Não convivemos com desconhecidos, ou pior, com inimigos, mas com homens e mulheres, porque em Cristo Jesus somos irmão e irmãs (cf. Mt 23,8), ou seja, a irmandade de todos na sociedade fica fortemente destacada no lema da CF. Na verdade, a Bíblia é tão radical em seu mandamento de amar ativamente que os cristãos são orientados a amar até mesmo os seus inimigos, algo inédito em outras religiões (cf. Mt 5,43-44; Ex 23, 4-5). Todavia, construamos a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, olhos fixos no “Príncipe da Paz”, como caminho concreto de superação da violência no Brasil aonde nalguns regiões chegou ao extremo, noutras, como o nosso Sudoeste do Paraná, com menos incidência, sem desconhecê-la como realidade social e que nos preocupa de igual modo.

Compartilhar