MAGAZINE DE NATAL EXCLUSIVIDADE RBJ.COM.BR

Beto Richa e Requião ficam fora do Senado

por Evandro Carlos Artuzzi em 8 de outubro de 2018 16:46
por Evandro Carlos Artuzzi em 8 de outubro de 2018 16:46
Esta matéria utiliza fontes de: Redação com UOL e Jornal O Presente

A eleição no paraná teve muitas surpresas. Muitos candidatos à reeleição para a Assembleia e Câmara Federal não conseguiram a reeleição. Mas o que mais chamou atenção está sendo a ausência de Roberto Requião (MDB) e Beto Richa (PSDB) no Senado.

Requião, que tentava reeleição, e Beto que deixou o governo do Estado lideravam as intenções de voto, segundo o Ibope até o início da semana. Porém, nos últimos dias o eleitorado resolveu apostar em caras novas, elegendo Flávio Arns (Rede) e Oriovisto Guimarães (Podemos). Os dois professores assumem em janeiro e se juntam a Álvaro Dias (Podemos) que tem mais quatro anos de mandato.

Flávio Arns já foi senador e também foi vice-governador na primeira gestão de Beto Richa. Já Oriovisto Guimarães ingressou na política esse ano. O professor é dono da rede educacional Positivo e foi indicado pelo então candidato à presidência pelo seu partido, Álvaro Dias.

Posição de Richa e Requião

Beto Richa (PSDB) disse durante entrevista coletiva na sede do partido em Curitiba, que se afasta da vida pública e vai cuidar das questões pessoais. Ele ainda atribuiu o resultado da campanha a justiça, devido as operações realizadas e que resultaram em sua prisão. “A operação da Polícia Federal foi uma pá de cal com intuito de assassinar a reputação. Fora da vida pública terei o benefício de poder cuidar da minha vida pessoal”, disse.

Já Roberto Requião (MDB) fez uso das redes sociais, por meio do Twitter, para comentar sua não reeleição. Disse que respeita a decisão do voto e atribui a derrota ao efeito Bolsonaro e ao duro ataque de infâmias e calunias nas redes nos últimos dias. “Minha posição nacionalista não muda um milímetro, mas respeito a decisão do voto. Tomei sempre as posições em que acreditava, pela Brasil, pela vossa soberania, por projeto de nação, pelos nossos trabalhadores e empresários nacionais”, revelou.

Compartilhar