Após postagens no Facebook sobre possíveis ataques em escolas, homem se apresenta à polícia

por Evandro Carlos Artuzzi em 18 de Março de 2019 19:03
por Evandro Carlos Artuzzi em 18 de Março de 2019 19:03

Um homem de 39 anos se apresentou à Polícia Militar na tarde desta segunda-feira (18) em Coronel Vivida. Jorge Locatelli era procurado por postagens feitas em seu perfil do Facebook. Tais postagens provocaram pânico entre pais de crianças e adolescentes que frequentam creches e escolas do município, visto que uma das publicações dava entender que esses espaços deveriam ser atacados por Gamers pertencentes a um suposto grupo espalhado pelo Brasil com o intuito de realizar atentados.

A publicação com data do dia 14, quinta-feira, ganhou notoriedade nesta segunda e assustou a população. Prints começaram a ser espalhados via rede social WhatsApp e muitos pais compareceram nas escolas para buscas os filhos com medo de um ataque. A Polícia Militar precisou reforçar o policiamento para acalmar os pais.

Conforme o subcomandante do 3º Batalhão de Polícia Militar, capitão Vicente Carvalho Junior, assim como tomou conhecimento da situação, a PM iniciou buscas com intuito de localizar o autor das postagens. Porém, o mesmo acabou se apresentando na sede da Companhia de Coronel Vivida para prestar esclarecimentos. Ele também foi encaminhado ao Promotor da Comarca, Bruno Príncipe de França, para esclarecer as postagens e, em seguida, encaminhado à 5ª SDP de Pato Branco. Em depoimento disse que tudo não passou de um mal entendido e que as postagens tinham a finalidade de alertar a população, jamais causar pânico como aconteceu.

Segundo o oficial da PM, Jorge é conhecido na cidade, porém não apresentava nenhum histórico criminal até então. Capitão Vicente afirmou em entrevista à Extra FM, de Chopinzinho, que os pais podem ficar tranquilos que nada de mal irá acontecer a seus filhos. “A Polícia Militar reforçou o policiamento em todas as escolas da região para evitar que nenhuma pessoa com esse tipo de pensamento consiga se aproximar das crianças”, disse.

Compartilhar