Terreno do município ocupado por cerca de mil famílias está sendo regularizado

por Evandro Artuzzi em 21 de Maio de 2018 14:35
por Evandro Artuzzi em 21 de Maio de 2018 14:35

Prefeito Cleber Fontana e seu vice, Antonio Pedron, apresentaram o projeto de urbanização da área ocupada. Foto: Assessoria prefeitura

A administração municipal de Francisco Beltrão deu início ao processo de regularização das famílias que estão acampadas a cerca de dois anos na área do antigo Frigobel, no Bairro Padre Ulrico, no local denominado de “Terra Nossa”. No sábado (19) pela manhã, liderada pelo prefeito Cleber Fontana, foi realizada uma reunião com as famílias para discutir a forma como vai ocorrer o assentamento das mesmas através do processo de urbanização do terreno.

Participaram, além de lideranças do poder público municipal, também representantes do Ministério Público Estadual, Corpo de Bombeiros, policiais Militar, Civil e Ambiental, e ainda chefes de escritórios regionais de órgãos estaduais, como por exemplo, a Cohapar. A reunião contou com boa participação dos moradores.

O prefeito Cleber Fontana garante que está sendo elaborado o projeto de urbanização do terreno e cada família será beneficiada com um lote, porém não haverá doação de lotes, mas a venda por um preço compatível. “Não é porque está acampada aqui que a pessoa vai ganhar o terreno, faremos a venda a um preço acessível e com condições facilitadas de pagamento, com parcelas que se enquadram dentro da realidade de cada um, para que todos possam viver com dignidade, sem medo de perder tudo”, disse.

O ministério público acompanha a situação junto com a administração municipal desde a ocupação, que ocorreu ainda em 2016. Conforme a promotora Maria Fernanda Salvadori Belentani, a invasão gerou um problema social, por isso a regularização é a melhor solução nesse momento. O Ministério Público tem a função de auxiliar para que a regularização aconteça de forma que todas as famílias sejam beneficiadas com igualdade.    

Moradores participaram em grande número da reunião com lideranças. Foto: Assessoria prefeitura

Atualmente cerca de mil famílias estão acampadas no local. Para conseguir regularizar a situação de cada uma, a prefeitura está elaborando um projeto de urbanização. O trabalho está sendo desenvolvido por uma comissão que conta com representantes de diversos setores. O vereador e engenheiro civil José Carlos Knipoff é um dos membros da comissão. Segundo ele, dentro de 90 dias o projeto deve estar pronto.

Em entrevista, lembra que algumas questões geram a lentidão no processo. A forma como as casas foram construídas é uma delas, isso por que estão muito próximas uma da outra, e algumas vão precisar ser realocadas para abertura de ruas e instalação das redes de água e luz.   

Para manter a ordem, a Polícia Militar vem mantendo a fiscalização constante no local. Conforme o Capitão Rogério Pitz o trabalho deve ter continuidade durante o processo de regularização para evitar que pessoas alheias aos interesses da maioria atrapalhem o andamento dos trabalhos. O oficial lembra que as pessoas de bem que estão acampadas no terreno tem todo o direito a uma moradia digna, com todas as condições, inclusive a segurança e a Polícia Militar mantém esse compromisso.

Ouça reportagem Onda Sul FM…

Compartilhar