Pato Branco terá 1º Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional

por Francione Pruch em 31 de agosto de 2018 16:45
por Francione Pruch em 31 de agosto de 2018 16:45
Esta matéria utiliza fontes de: Assessoria

O Município de Pato Branco, por meio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, está elaborando o primeiro Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (SAN). Esta é a primeira vez, na história da cidade, que a municipalidade atua, de forma intersetorial, para planejar as políticas públicas ligadas à Segurança Alimentar e Nutricional para Pato Branco, mapeando ações, indicadores e metas de órgãos e entidades locais.

A secretária municipal de Educação e Cultura, Heloí Aparecida De Carli, explica que a elaboração do Plano SAN está sendo conduzida pela Equipe Técnica responsável, instituída pela Portaria Municipal nº 171, de 03 de maio de 2018, formada por profissionais de diferentes áreas, que atuam junto às secretarias municipais.

“Estamos planejando o futuro de Pato Branco, realizando um trabalho que não envolve apenas a merenda escolar, mas, sobretudo, abrange os principais setores da sociedade, diretamente ligados à alimentação, pois estamos tratando de diversos indicadores que refletem no desenvolvimento social da cidade, o que contempla diversas áreas e segmentos”, destaca Heloí.

Os planos municipais de segurança alimentar e nutricional decorrem de políticas públicas nacionais, como os compromissos assumidos pelo Brasil para a Década de Ação sobre Nutrição instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2016.

 

O Plano

O Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional prevê a estruturação de toda a cadeia agroecológica, processo que inicia na propriedade rural, no momento da produção dos alimentos, mas que também envolve os principais setores da sociedade, uma vez que o processo contempla o desenvolvimento social.

Para tanto, o Plano SAN possui como diretrizes principais: 1) acesso universal à alimentação adequada e saudável, com prioridade para as famílias e pessoas em situação de insegurança alimentar e nutricional; 2) abastecimento e estruturação de sistemas sustentáveis e descentralizados, de base agroecológica, de produção, extração, processamento e distribuição de alimentos; 3) instituição de processos permanentes de educação alimentar e nutricional, pesquisa e formação nas áreas de segurança alimentar e nutricional e do direito humano à alimentação adequada; 4) acesso universal à água de qualidade e em quantidade suficiente e para a produção de alimentos da agricultura familiar, da pesca e da aquicultura.

De acordo com Heloí, o Plano SAN deve ser finalizado até o final de setembro, cuja implementação deve iniciar logo após a sua publicação, prevista para 16 de outubro, Dia Mundial da Alimentação Saudável.

Compartilhar