Show promovido pela Rede Bom Jesus de Comunicação e Rádio Onda Sul FM de Francisco Beltrão

Excesso de chuva e frio repentino preocupa produtores de maçã

por Ivan Cezar Fochzato em 23 de outubro de 2017 10:10
por Ivan Cezar Fochzato em 23 de outubro de 2017 10:10

Se os agricultores estão preocupados com a impossibilidade de ampliar a semeadura de suas lavouras para a safra 2017/2018, os fruticultores do sul do país, especialmente os produtores de maçã, estão enfrentando problemas para a condução de seus pomares neste mês de outubro.  Primeiro, o excesso de chuva e nesta segunda-feira(23) as baixas temperaturas são fatores prejudiciais para a atividade.

22688538_1971624459765064_8753286377984360347_n

Frutos em desenvolvimento no pomar experimental do IAPAR em Palmas/PR. Foto: Wilson Schveiczrski- Gerente da Estação

Em Palmas, sul do Paraná, por exemplo, o volume de chuva do sábado e domingo(21 e 22), no perímetro urbano, foi de 66 milímetros. Em outubro, o total é 292 milímetros, com projeção de outros 130 milímetros até o último dia do mês. Nesta semana,  tempo bom  entre amanhã e quarta-feira.

Em relação ao frio, equipamentos da Estação do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) mediram na madrugada/manhã de hoje 4.6ºC, na temperatura de abrigo e  1.0ºC na superfície do solo(relva). Na altitude dos Campos de Palmas, na região do Horizonte, 2.6 e 2.2ºC, respectivamente.

Conforme o Diretor Técnico da Associação Brasileira dos Produtores de Maçã(ABPM), Ivanir Dalagnol, o elevado volume de chuva exige dos produtores cuidados redobrados para impedir o aparecimento de doenças, que aproveitam o excesso de umidade para se instalar nas plantações. “ Os produtores não podem se descuidar dos tratamento que devem ser realizados com mais frequência”, disse ele.

Para ele, outro grave problema é com as baixas temperaturas da manhã de hoje, onde os termômetros ficaram negativos em alguns municípios da região produtora, especialmente São Joaquim, que teve, -3.2ºC em abrigo e até -8.0º na medição de relva. Explicou que  pode ocorrer o congelamento dos frutos já em desenvolvimento. “Algumas frutas acabam caindo pela queima da geada”, disse ele. Acrescentou que  o impacto das baixas temperaturas desta segunda-feira só poderá  ser  avaliada nos próximos dias.

Adiantou que em Palmas o frio não deve ter ocasionado impacto, uma vez que os valores aqui registrados não foram suficientes para o congelamento dos frutos. Avaliou que os produtores estão acreditando na melhora do tempo para que possam realizar o manejo dos pomares, bem como,  diminuir o volume de aplicações de tratamentos,  e com isso reduzir o custo de produção.

 

Os comentários para esta matéria estão desabilitados. Caso deseje comentar sobre este conteúdo, fique a vontade em utilizar o botão do Facebook logo no inicio da matéria para compartilhar seus comentários através de seu perfil na rede social.
Compartilhar