Dom Agenor Girardi

por Luiz Carlos em 16 de Fevereiro de 2018 10:08
por Luiz Carlos em 16 de Fevereiro de 2018 10:08

Jesus de Nazaré, passou pelo mundo fazendo o bem

[…], porque Deus estava com Ele” (At 10,38).

No Livro dos Atos dos Apóstolos encontramos o chamado “Discurso de Pedro” (cf. At 10,35-48), onde o Apóstolo explica aos seus interlocutores, os pagãos, de forma longa e detalhada, a missão de Jesus Cristo, o Messias, que é o Senhor de todos, que foi morto, ressuscitado e exaltado ao Céu, de onde enviou o Espírito Santo, que passou pelo mundo fazendo o bem, e que os discípulos foram testemunhas das atividades do homem de Nazaré, e de seus grandes feitos em favor da humanidade, preferencialmente pelos pecadores, órfãos, pobres, viúvas e doentes.

No sábado passado, dia 10 de fevereiro de 2018, na Catedral de União da Vitória/PR, sepultamos Dom Agenor Girardi, que praticamente passou grande parte de sua vida em Francisco Beltrão/PR, quando então nomeado pelo Papa Bento XVI, bispo Auxiliar de Porto Alegre/RS, e bispo Referencial para a Vida Consagrada na mesma arquidiocese, e, posteriormente bispo de União da Vitória, Sul do Paraná, pelo Papa Francisco.

Dom Agenor passou fazendo o bem porque Deus estava com ele como afirmou Pedro. O ex-pescador tinha razão de falar de Jesus deste modo. Ele fora resgatado pelo Senhor Jesus. Fez-se Apostolo. Agora novas pescas e novos peixes. Agenor, quando ainda adolescente, de família religiosa e de vivências eclesiais, ingressou na Comunidade dos Padres Missionários do Sagrado Coração de Jesus, pioneiros na missão evangelizadora aqui nesta parte do Sudoeste do Paraná. À época eram conhecidos como os “padres belgas”. Vinham missionários da Bélgica para evangelizar nossas famílias e em conseqüência nasciam as comunidades católicas.

Dom Agenor passou fazendo o bem como seminarista, religioso, teólogo, sacerdote e bispo. Passou fazendo o bem pelas paróquias como sacerdote abnegado pelo exercício e ministério presbiteral, cuidando do povo que lhe foi confiado. Passou pelos hospitais, visitou centenas de casas, especialmente dando assistência espiritual aos doentes. Pelos presbitérios presidindo Eucaristias – um apaixonado pela eucaristia, um homem eucarístico, um homem de muita oração e contemplação silenciosa. Foi um sacerdote e bispo que viveu profundamente a Palavra do Evangelho. O Evangelho foi sua bússola orientadora. Amava a Igreja e sua missão.

Passou fazendo o bem pela província de sua congregação religiosa e seus coirmãos, espalhando o amor pelo Sagrado Coração de Jesus e de Maria, sua Mãe. Passou fazendo o bem pela causa da juventude. Fundou em Francisco Beltrão a “Jornada Jovem” – conhecida como “JJ” – evangelizar os jovens faz-se necessário e urgente, disse-me numa ocasião. Acreditemos, pois na força dos jovens e na missão destes preferidos de Jesus – acreditava o bispo que nos deixou.

Passou fazendo o bem orientando retiros espirituais às comunidades religiosas, aos sacerdotes, seminaristas e leigos pelo Brasil. Passou fazendo o bem com suas publicações para jornais e revistas. Cito a Revista Rainha dos Apóstolos, dos padres e irmãos palotinos, que por mais de 15 anos publicou uma série de artigos sobre a História da Igreja e Espiritualidade Cristã. Seus textos foram transformados em livro a partir de 35 textos, pelos meus coirmãos palotinos, de Porto Alegre, no final do ano de 2017, com o título “Espiritualidade: uma fonte inesgotável de conhecimento”.

Enfim, Agenor, passou fazendo o bem como sucessor dos Apóstolos, como disse Pedro. Não foram tantos os seus anos como pastor. Mas foram intensos e profundos. Viveu com alegria e disponibilidade. Sentia-se feliz nos encontros com seus sacerdotes, com o povo, com crianças e jovens. Sua presença às reuniões da CNBB era garantida. Sempre tinha uma palavra, uma reflexão para a nossa missão no pastoreio desta Igreja presente no Regional Sul II. Portanto, queremos louvar e bendizer a Deus pelo seu testemunho de vida sacerdotal e episcopal. Um homem bom. Um homem de Deus. Um homem de agradável convivência, de fácil diálogo pela sua simplicidade. Deus seja louvado pela vida deste apóstolo e servidor do Evangelho. No céu temos um intercessor. Que o Senhor envie às nossas casas de formação jovens com o espírito e a disponibilidade de Dom Agenor.

Dom Edgar Ertl

 

Compartilhar