Diáconos, servidores da caridade

por Luiz Carlos em 28 de dezembro de 2018 10:15
por Luiz Carlos em 28 de dezembro de 2018 10:15

Neste domingo, 30 de dezembro de 2018, às 10h, na Igreja Matriz Santa Rita de Cássia, em Marmeleiro, com júbilo vou ordenar, durante a celebração eucarística, dois novos diáconos à Diocese de Palmas- Francisco Beltrão. São eles Rudinei José Willers, natural de Planalto/PR e Ulisses de Oliveira Silva, natural de Vacaria/RS. Serão com certeza, dois presentes à Igreja Diocesana para coroar as festividades dos 60 anos de criação da Diocese de Palmas-Francisco Beltrão (1958-2018). Deus seja bendito pelo dom da vocação destes diáconos e que serão ordenados sacerdotes no segundo semestre de 2019.

A importância da ordenação. A Igreja entende que pela imposição das mãos, feita desde os Apóstolos, os Diáconos são ordenados para cumprirem eficazmente o seu ministério, por meio de graça sacramental. E, assim, a Igreja Católica tem a sagrada Ordem do Diaconado com grande apreço já desde os inícios da era apostólica (cf. At 6,1-7).

A Constituição Dogmática Lumen Gentium descreve o que os diáconos devem realizar na Igreja: “Pois que, fortalecidos com a graça sacramental, servem o Povo de Deus em união com o Bispo e o seu presbitério, no ministério da Liturgia, da palavra e da caridade. É próprio do diácono, segundo for cometido pela competente autoridade, administrar solenemente o Batismo, guardar e distribuir a Eucaristia, assistir e abençoar o Matrimônio em nome da Igreja, levar a Eucaristia os fiéis, ler aos fiéis a Sagrada Escritura, instruir e exortar o povo, presidir ao culto e à oração dos fiéis, administrar os sacramentais, dirigir os ritos do funeral e da sepultura. Consagrados aos ofícios da caridade e da administração, lembrem-se os diáconos da recomendação de São Policarpo: ‘misericordiosos, diligentes, caminhando na verdade do Senhor, que se fez servo de todos’” (LG 29).

Invocação ao Espírito Santo. Na celebração da Ordenação, é conferido aos Diáconos o múnus da Igreja, que louva a Deus e interpela a Cristo, e por ele ao Pai, de modo que devem rezar diariamente a Liturgia das Horas em favor de todo o povo de Deus e de toda a humanidade. Pela imposição das mãos do Bispo e pela Prece de Ordenação, é conferido aos candidatos o dom do Espírito Santo para o seu múnus de Diáconos. Pertencem à natureza da Ordenação e, portanto, são exigidas para a sua validade estas palavras: “Enviai sobre eles, Senhor, nós vos pedimos, o Espírito Santo, que os fortaleça com os sete dons da vossa graça, e fim de exercerem com fidelidade o seu ministério”.

Ministros servidores.  Fortalecidos com o dom do Espírito Santo, amparados por Deus, os diáconos devem proceder de tal modo o seu ministério que possam ser reconhecidos como verdadeiros discípulos missionários daquele que não veio para ser servido, mas para servir. Assim como Jesus fez os diáconos são convidados a fazer. Eles são ministros de Jesus Cristo, que se manifestou à humanidade como servidor dos seus discípulos, assim que também estes que serão ordenados, precisam cumprir generosamente a vontade de Jesus Cristo, ou seja, Ele os quer servindo e, na caridade, servindo com alegria tanto a Deus como aos seres humanos, pessoas concretas e suas comunidades, esta porção do povo de Deus, presente nesta nossa diocese que há 60 anos exerce a diaconia da evangelização.

Rendamos, pois, juntos, nossas preces de louvor ao Senhor pelos dois novos diáconos à nossa Igreja Local. Que a vida do Rudinei e Ulisses seja uma vida em estado permanente de diaconia, sempre servidores da caridade, da boa notícia do Evangelho, sobretudo, aos doentes, aos pobres e os que se afastaram de nossas comunidades. E pedimos, com humildade, se assim o merecermos, que o Senhor continue enviando-nos novas vocações à Igreja de Palmas-Francisco Beltrão. Feliz Ano Novo, com paz e alegria.

Dom Edgar Ertl

Compartilhar