Atenção aos detalhes!

por Luiz Carlos em 22 de Fevereiro de 2019 10:33
por Luiz Carlos em 22 de Fevereiro de 2019 10:33

Na Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate (GE) sobre a chamada à santidade no mundo atual (2018), o Papa Francisco lembra-nos dos pequenos detalhes que fazem grandes diferenças nas convivências e, sobretudo, nas atitudes das pessoas, muitas vezes até esquecidas. E quem não se lembra ainda das três palavras chaves que aprendíamos em casa no seio de nossas famílias, com nossos pais “com licença, obrigado, desculpa”, porque as palavras adequadas, ditas no momento certo, protegem e alimentam o amor dia a após dia.

Bergoglio diz que, todavia, contudo estas experiências não são o mais frequente, nem o mais importante. A vida comunitária, na família, na paróquia, na comunidade religiosa ou em qualquer outra, compõe-se de tantos pequenos detalhes diários. Assim acontecia na comunidade santa formada por Jesus, Maria e José, onde se refletiu de forma paradigmática a beleza da comunhão trinitária. E o mesmo sucedia na vida comunitária que Jesus transcorreu com os seus discípulos e o povo simples (cf. GE 143).

Três palavras chaves

Vamos continuar com o Papa Francisco e as três palavras chaves, agora na Exortação Apostólica Amoris Laetitia, sobre o amor na família, observando os detalhes e suas sutilezas: “O amor de amizade unifica todos os aspectos da vida matrimonial e ajuda os membros da família a avançarem em todas as suas fases. Por isso, os gestos que exprimem este amor devem ser constantemente cultivados, sem mesquinhez, cheios de palavras generosas. Na família, ‘é necessário usar três palavras: com licença, obrigado, desculpa. Três palavras-chave’. ‘Quando numa família não somos invasores e pedimos “com licença”, quando na família não somos egoístas e aprendemos a dizer “obrigado”, e quando na família nos damos conta de que fizemos algo incorreto e pedimos “desculpa”, nessa família existe paz e alegria’. Não sejamos mesquinhos no uso destas palavras, sejamos generosos repetindo-as dia a dia, porque ‘pesam certos silêncios, às vezes mesmo em família, entre marido e mulher, entre pais e filhos, entre irmãos’” (AL 133).

Gestos de Jesus e atenção aos detalhes

Lembremo-nos como Jesus convidava os seus discípulos a prestarem atenção aos detalhes: o pequeno detalhe do vinho que estava a acabar numa festa; o pequeno detalhe duma ovelha que faltava; o pequeno detalhe da viúva que ofereceu as duas moedinhas que tinha; o pequeno detalhe de ter azeite de reserva para as lâmpadas, caso o noivo se demore; o pequeno detalhe de pedir aos discípulos que vissem quantos pães tinham; o pequeno detalhe de ter a fogueira acesa e um peixe na grelha enquanto esperava os discípulos ao amanhecer.

A comunidade, que guarda os pequenos detalhes do amor e na qual os membros cuidam uns dos outros e formam um espaço aberto e evangelizador, é lugar da presença do Ressuscitado que a vai santificando segundo o projeto do Pai.

Contra a tendência para o individualismo consumista que acaba por nos isolar na busca do bem-estar à margem dos outros, o nosso caminho de santificação não pode deixar de nos identificar com aquele desejo de Jesus: “que todos sejam um só, como Tu, Pai, estás em Mim e Eu em Ti” (Jo 17, 21).

Quais são os detalhes que nos passam despercebidos?

Detalhe é ainda sinônimo de “pormenor, particularidade, minúcia”. Estamos percebendo os pormenores que acontecem ao nosso redor, neste tempo frenético, sem tempo para nada? Na família, na escola/faculdade, na comunidade de fé, na rua, nas grandes e pequenas ocasiões? As particularidades das pessoas que convivem conosco são notadas? No ambiente do meu trabalho e convivência quais são dos detalhes que eu deveria observar melhor e com mais atenção?

Dom Edgar Ertl

Compartilhar